O para-brisa trincou? Veja o que fazer

Confira dicas de como agir corretamente nessa situação

Fotos: Divulgação |

 

Aquela pequena rachadura no para-brisa pode doer no bolso. Dirigir com o vidro danificado é infração grave. Resulta em multa de R$ 195,23, cinco pontos na CNH e apreensão do veículo. Porém, é uma questão de segurança também. Veja as dicas e saiba o que fazer.

IMPACTOS

Os vidros automotivos têm papel fundamental em casos de impactos frontais, pois suportam a pressão do eventual disparo dos air bags e funcionam como barreira de proteção. Outra função importante é a sustentação do teto do veículo em caso de capotamento. A visibilidade também pode ser afetada. O para-brisa deve ser consertado o mais rápido possível, pois ele é peça importante na segurança.

ESPECIALISTAS

Reparar o vidro é seguro e ecologicamente correto, mas faça isso em empresas especializadas. Com mão de obra treinada e equipamentos apropriados, elas resgatam a resistência estrutural do vidro, conforme normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

MAIS BARATO

Às vezes, o reparo é mais rápido e barato que a troca da peça toda. Um conserto custa a partir de R$ 100 e leva de 30 a 40 minutos. Atualmente, o custo do vidro automotivo novo, com muito mais tecnologia embarcada, pode variar de R$ 240 a R$ 15 mil, dependendo do automóvel.

PROCESSO

A área afetada passa por uma limpeza para que a resina utilizada no conserto possa aderir corretamente à superfície. Em seguida, coloca-se uma bomba de vácuo sobre a área trincada para remover completamente o ar e aplicar a resina. Depois, raios ultravioleta ajudam o processo de secagem. Finalmente, os resíduos são removidos e a área é polida para garantir um acabamento perfeito.

SEM CONSERTO

Não é recomendado o reparo na área de visão do motorista e nas bordas dos vidros, sobre a tarja preta que os emolduram. É uma área de extremo esforço de torção, resultante da movimentação dos veículos em superfícies irregulares.

Compartilhe esse conteúdo



Comentários