Usado da semana: Chevrolet Tracker LTZ 2014

Economize R$ 20 mil e saia com um SUV (quase) igualzinho ao 0 km

Por João Anacleto // Fotos: Divulgação

O Tracker chegou em outubro de 2013 para ser o SUV de quem não curtia Ford EcoSport e Renault Duster. Importado do México e cumprindo a restrição das cotas, ele não teve volume para incomodar os rivais. Veio em versão única, a LTZ, e com preço cerca de 10% acima dos concorrentes intermediários. Mas quem comprou, gostou e hoje ele se mantém valorizado. Em 2014 custava R$ 71.990, hoje o mesmo carro vale, em média R$ 67.380. Já o 0 km sai por R$ 87.290 e não tem mudanças relevantes desde o lançamento.

Seu motor é o digno 1.8 flex de 144 cv que é levemente atrapalhado pelo confuso câmbio automático de 6 marchas. Além do bom espaço interno e acabamento honesto, o Tracker LTZ vem com bancos de couro, interior em dois tons e o sistema My Link, muito superior (até hoje) aos multimídias dos concorrentes. Mais uma boa notícia? Não é raro encontrá-lo com quilometragem abaixo dos 30.000 km. A parte ruim (e sempre tem uma) é que a revisão de 40.000 km sai por R$ 1.096, mesmo preço cobrado aos R$ 50.000 km.


FIQUE LIGADO

Recall: os primeiros modelos (fabricados até 13 de fevereiro de 2014) tiveram de passar por inspeção e, se necessário, substituição da tubulação dos freios dianteiros.

+ Acabamento honesto, bom motor, itens de série, posição de dirigir.

- Consumo de 6 km/l na cidade, porta-malas pequeno, preço das revisões a partir dos 40.000 km. Vai mudar em 2017.

RG DO CARRO

Motor: dianteiro, 4 cilindros em linha, 1.8 flex, aspirado

Potência (E): 144 cv a 6.300 rpm

Torque (E): 18,9 mkgf a 3.800 rpm

Transmissão: automática de 6 marchas

Porta-malas: 306 litros

IPVA: R$ 2.695

Compartilhe esse conteúdo



Comentários