Usado da Semana: Chevrolet Tracker 2015

Um SUV urbano na essência que traz muito equipamentos por um preço bem abaixo dos carros 0km

Fotos: Divulgação |

O Chevrolet Tracker chegou em 2013 como uma alternativa mais refinada ao Ford EcoSport e Renault Duster que reinavam, praticamente sozinhos, no mercado de SUVs compactos. Importado do México, e com algumas restrições no número de unidades que poderiam ser importadas, o Tracker não figurou entre os mais vendidos, contudo ainda tem um bom valor de mercado. Especialmente na versão LTZ. Ela vem de série com tudo o que você só encontra hoje em carros com preços de R$ 90 mil em diante. Entre eles estão as belas rodas de 18”, ar-condicionado, bancos de couro,  regulagem de altura dos faróis e sistema multimídia e conectividade My Link.

O motor é o bom 1.8 16V de 144 cv, que sofre um pouco por ser conduzido pelo câmbio de GF6, de seis marchas, uma transmissão longe de ser esperta. Apesar do bom espaço interno, não espere um amplo espaço para bagagens. Ele traz apenas 306 litros por ali.

Chevrolet Tracker

FIQUE LIGADO

My Link: sempre é bom lembrar que quando você compra um carro com esse sistema de multimídia, não poderá colocar CDs para tocar, por exemplo. Música só via USB ou pelo aplicativo.

Mais por mais: os air bags laterais e de cortina eram opcionais na época, portanto se você achar alguma unidade com eles saiba que vai pagar mais caro.

+ Espaço interno, suspensões, qualidade de construção, lista de itens de série

 - Consumo de combustível alto, câmbio lento, porta-malas

RG DO CARRO

Motor: Dianteiro, 4 cilindros, 1.8, 16V, flex

Potência: 144 cv a 6.300 rpm

Torque: 18,9 mkgf a 3.800 rpm

Transmissão: Automática 6 marchas, tração dianteira

Porta-malas: 306 litros

IPVA: R$ 2.540

Compartilhe esse conteúdo



Comentários