Riscaram seu carro? Saiba o que fazer

Veja dicas para não sair no prejuízo nessa situação

Fotos: Divulgação |

Você estaciona no shopping e quando vai pegar o carro, ele está riscado. Prego, pedra ou até outro carro podem ser os responsáveis pelo estrago, mas quem paga por isso? E quanto isso vai lhe custar? Saiba tudo!

RISCADO NA MALDADE?

A primeira coisa é ficar calmo e perceber qual foi o tipo de dano causado. Se foi um risco daqueles, na maldade, onde o delinquente riscou a lataria com um prego ou uma pedra, ou se foi algo acidental provocado por um outro carro que resvalou no seu e, possivelmente, nem viu.

RESPONSABILIDADE DE QUEM?

Se você estiver em um estacionamento pago, como o de um shopping ou de supermercado, há dois caminhos para não sair no prejuízo. Ainda que os estabelecimentos dizem não serem responsáveis por dano no veículo, se o local oferece um espaço para os veículos ele tem de zelar pelo seu bem.  Vá até a administração e comunique o fato com provas do ocorrido.

NÃO QUEREM ME PAGAR

Se depois da comunicação do episódio o estabelecimento não se comprometer em arcar com os danos, você deve acionar o Procon e este órgão, por meio de juizados especiais, levará o caso a julgamento para ressarcimento do prejuízo. Certifique-se de que o local onde seu carro estava está próximo de câmeras de segurança, e também guarde consigo o ticket de estacionamento. Fazer fotos do local e do carro na data do ocorrido também é uma boa. Quanto mais provas melhor.

QUERO ARRUMAR ISSO JÁ?

Veja se o risco pode ser suavizado com cera automotiva. Elas custam entre R$ 20 e R$ 30 e já existem ceras específicas para algumas cores de carros. Aplique e faça o polimento, ou leve em empresas especializadas em polimento e cristalização de carrocerias.

O POLIMENTO NÃO RESOLVEU?

Há empresas especializadas em remover riscos mais profundos. Mas o serviço não é barato. Dependendo do dano, se na pintura, ou no para-choques, o uso de tinta reparadora varia entre R$ 200 e R$ 500. Junte isso ao processo e também cobre do estabelecimento.

Compartilhe esse conteúdo



Comentários