Volkswagen Virtus

Por Lucas Litvay // Projeção: João Kleber Amaral

A Volkswagen afirma que terá nove lançamentos no Brasil durante todo o ano de 2017. A sequência começou há pouco mais de um mês com o novo Up. A grande novidade, porém, chega no segundo semestre: a nova geração do Polo. E a sua versão sedã, que estreia entre o fim de 2016 e início do ano que vem, é o carro que ilustra essa reportagem.

Nos corredores da fábrica de São Bernardo do Campo (SP) e entre os fornecedores, ele é chamado de Projeto 270. Mas seu nome oficial será Virtus. A VW já registrou a nomenclatura no INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial). Recentemente a marca também confirmou que a produção começa em setembro.

O Virtus usará uma versão menor da plataforma MQB do Golf, a A0, a mesma a ser usada nos novos Polo e no SUV T-Rock. O Virtus terá espaço de sedã médio a preço de compacto. O alvo é certeiro: o bom de vendas Chevrolet Cobalt, que custa a partir de R$ 63 mil.

A novidade da VW terá comprimento acima dos 4,20 m e entre-eixos ao redor dos 2,56 m. São 10 cm a mais que o oferecido pelo Voyage. O porta-malas também será tamanho GG, algo acima de 500 litros de capacidade. O do Voyage é de 480 l. 

Volkswagen VirtusA VW mostrou a projeção do Virtus durante o Salão de Genebra, em março. O modelo já roda em testes no Brasil disfarçado de Golf Variant. 

TONELADA

Segundo fontes, todos os motores do Virtus serão da linha EA211. A opção de entrada será equipada com o 1.0 MPI de 82 cv, que, em tese, não sofrerá tanto devido ao baixo peso da plataforma MQB. O sedã deverá pesar pouco mais de uma tonelada mesmo com o acréscimo de tecnologias como ESP e controle de tração, que serão itens obrigatórios em três anos.

Na opção mais cara, terá o 1.0 TSI com turbo e injeção direta, que gera 105 cv e 16,8 mkgf a 1.500 rpm. A terceira e última opção será mais tradicional, com o 1.6 16V de 120 cv. O câmbio deverá ser o automático tradicional no lugar da caixa automatizada i-Motion de cinco marchas.

INDENTIDADE PRÓPRIA?

Na dianteira, o Virtus será idêntico ao futuro Polo. E a quase tudo o que a VW desenha. O único porém está na grade dianteira que terá uma barra mais grossa no encontro do capô e duas mais finas logo abaixo. Os faróis de neblina são inspirados nos do Golf a ser apresentado no meio do ano. De lado, ele fica mais interessante devido aos fortes vincos que cruzam as portas e a linha de cintura alta. As lanternas traseiras não fugirão do desenho horizontal.

Na cabine, o Virtus seguirá o padrão da marca, ou seja, linhas retas e revestimentos mais agradáveis ao toque, além de uma central multimídia acessível, hoje item indispensável na decisão de compra do consumidor.