Volkswagen Santana

por Ícaro Bedani e Gustavo Henrique Ruffo / Projeções: João Kleber Amaral - publicado na edição nº 56 (jul/2012)

A Volkswagen vasculhou um baú há muito esquecido. Aquele que já foi carro de frota, correu atrás de bandidos e foi um dos sonhos de consumo da classe média tem data de retorno: em 2013, você verá o Santana de volta às concessionárias. Essa notícia já rondava a redação da C/D há algum tempo, quando descobrimos que ele substituiria o Polo Sedan. O anúncio oficial sobre o empréstimo do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) à Volks, no valor de R$ 342 milhões, reforçou o que fontes ligadas à fábrica haviam nos antecipado. Além do novo Santana, a grana também vai fazer a marca dar início à produção do up!, mais barato que o Gol.

Volkswagen Santana

Criado sob o código VW253 CS pela joint-venture chinesa Shanghai-Volkswagen, o Santana NF será o substituto do veterano brasileiro por lá. Como aqui, ele era, no início, o Passat de segunda geração, conhecido como B2 ou Typ 32 B, depois reestilizado como o último Santana brasileiro. A plataforma do novo modelo (e isso explica o desencontro de informações) é a mesma do Polo Sedan de quinta geração, a PQ25, mas a carroceria é outra. Bem parecida, mas maior. O entre-eixos, bem ao gosto dos chineses, será mais longo do que o do Polo Sedan V, que tem 2,55 m. Será uma resposta à altura da marca para os sedãs “compactos esticados” como Nissan Versa, Chevrolet Cobalt e Renault Logan (que, a propósito, receberá novo design).

Volkswagen Santana

1.6 16V

O motivo de a Shanghai-Volkswagen ter partido para um carro novo é o fato de a Volks ser meio saidinha na China e ter um caso com outra fabricante, a FAW, que vai vender o Jetta naquele mercado. A preços bem mais competitivos do que os do carro vendido por aqui. O concorrente para ele, portanto, seria o Santana NF.

Volkswagen Santana

O motor poderia ser o mais do que conhecido 1.6 EA111 (presente em quase toda a linha VW), mas há novidade por aí: o Santana, pelo menos na China, será equipado com motor 1.6, mas da família EA211, que terá 110 cv por conta do cabeçote de 16 válvulas. O conjunto também será fabricado no Brasil, com maquinário que já está na fábrica de São Carlos (SP), conforme apuramos. A linha de produção do novo sedã, por sua vez, deve ocupar a que hoje é usada pela Kombi em São Bernardo do Campo (SP). Para os saudosistas, a notícia é triste: a velha senhora vai se aposentar antes de 2014, quando entra em vigor a nova legislação de segurança veicular que exigirá que todos os carros nacionais sejam equipados com freios ABS e air bag. O investimento não vale. O novo Santana faz parte das 101 novidades que estão na C/D de setembro.

capa