Chevrolet Prisma

Por Gustavo Henrique Ruffo / Projeções João Kleber Amaral

O sedã do Chevrolet Celta já morreu, mas não o seu nome. O Prisma, que nasceu para matar o Chevrolet Classic, mas nunca conseguiu superar seu antecessor, deixou de ser produzido para dar lugar ao sedã do novo carro pequeno da marca, o Onix. Esperado para chegar no primeiro trimestre de 2013, ele terá o mesmo nome do sedã do Celta, boa oferta de espaço e um desenho que promete agradar, como mostram nossas projeções, feitas por João Kleber Amaral.

Chevrolet Prisma

As opções de motores do novo Prisma serão as mesmas do Onix: 1.0 e 1.4 SPE/4, os conhecidos motores da Família 1, mas com melhorias para consumir menos combustível e ajudar a GM a fazer bonito no programa de Etiquetagem Veicular do Inmetro, do qual a empresa ainda não participa. Não à toa: os Chevrolet não são exatamente conhecidos pela economia. Quem sabe isso agora não muda?

Seguindo a estratégia que a marca já adotou com a Trailblazer, o primeiro modelo a ser apresentado deve ser o equipado com motor 1.4. Cá entre nós, ele é a escolha ideal para o Prisma. Com 106 cv com etanol e 98 cv com gasolina (a razoáveis 6.000 rpm), ele tem torque de 13,9 mkgf (etanol) e 12,9 mkgf (gasolina). 

Chevrolet Prisma

A versão com motor 1.0 deverá chegar em um segundo momento, mas é bom a GM não demorar muito. Isso porque seus concorrentes não vão fazer a menor cerimônia para oferecer uma versão mais barata, caso da Hyundai. O 1.0 tem 80 cv com etanol e 78 cv com gasolina, o que ainda mostra a preocupação da marca mais com marketing do que com a engenharia. Isso porque a potência máxima fica a 6.400 rpm, perto demais do limite de giro do motor. Em outras palavras, você só tem 100 rpm para utilizar essa potência. Melhor seria uma potência menor, em rotação mais baixa, e um torque mais generoso que os 9,8 mkgf (etanol) e 9,5 mkgf (gasolina) que o SPE/4 mais fraquinho rende.

Chevrolet Prisma

Em vez de versões com câmbio automatizado, o Prisma terá câmbio automático de verdade, mas essa opção será reservada apenas à versão mais forte do modelo. Ela poderá ser equipada com o câmbio automático GF6, de seis marchas, uma escolha que deve ser bastante popular, especialmente se o Prisma for eleito por taxistas em vez do Cobalt, mas seu perfil é diferente.

Chevrolet Prisma

Quem já viu o carro diz que ele tem um perfil quase de cupê, o que torna a abertura da tampa de seu porta-malas bem pequena. Com isso, o acesso ao compartimento será mais complicado, o que já deve complicar a vida de quem trabalha colocando e tirando malas, como os profissionais da praça.

Chevrolet Prisma

Com preços estimados em R$ 32 mil para a versão 1.0 e R$ 37 mil para a 1.4 LT, a mais simples, o novo Prisma não chegará em situação exatamente confortável. Está previsto para ser lançado em março o sedã do HB20, que deve disputar com ele as preferências dos consumidores. O problema, para a Hyundai, ainda é seu volume de produção bem abaixo da demanda atual pela versão hatch. Com tantos pedidos para atender, a marca ficará devendo carro aos mais impacientes. É aí que a Chevrolet deve se dar bem.