F1 x MotoGP[Clique para ampliar]

Por Marcos Rozen // Foto: Divulgação

Em 2015, o circuito da Catalunha, em Barcelona, testemunhou GPs das duas maiores categorias do automobilismo mundial logo na sequência: em maio a F1 e no mês seguinte a MotoGP. Os campeões foram Nico Rosberg, da Mercedes-Benz, e Jorge Lorenzo, da Yamaha. Quem foi mais rápido ou sofreu mais com as curvas? Confira agora.

 1. VELOCIDADE MÁXIMA

As duas máquinas praticamente se equivalem na pista, apesar do abismo técnico que as difere. Na MotoGP, Andrea Iannone, da Ducati, chegou a 343,7 km/h no fim da reta, enquanto na F1 Nico Hülkenberg passou no mesmo ponto a bordo de sua Force India a 343,8 km/h

2. VELOCIDADE MÉDIA

Lorenzo ganhou a prova de duas rodas com velocidade média de 165,3 km/h. Rosberg foi bem além em quatro rodas: 182 km/h

3. DISTÂNCIA E TEMPO

A prova de MotoGP da Catalunha teve 25 voltas: ao todo foram pouco mais de 118 quilômetros percorridos. A F1, por sua vez, tem número maior de voltas. São 66, o que totalizou 307,2 quilômetros. Jorge Lorenzo, da Yamaha, precisou de apenas 42m53s para vencer a disputa, enquanto Nico Rosberg levou 1h40m12s para ser o primeiro a ver a bandeira quadriculada a bordo de sua Mercedes na F1

4. CURVA POR CURVA

A prova da MotoGP utilizou o traçado original do circuito: 4.728 metros de extensão, com cinco curvas à esquerda e oito à direita. Já para a F1 a pista foi levemente encurtada e ganhou uma chicane a mais no último trecho, antes da reta principal. Neste caso foram 4.655 metros a cada volta, contornando seis curvas à esquerda e nove à direita.

5. FORÇA G

Enquanto na Fórmula 1 o piloto tem que suportar ação da Força G de até 3,9 na pista de Barcelona, na MotoGP a pressão é um pouco mais leve, ainda que muito representativa para uma motocicleta: 1,2 G na curva 3, a mais exigente do circuito.

Mercedes

6. ONDE MESMO?

Para a F1, a corrida disputada em Barcelona é o Grande Prêmio da Espanha. Mas a MotoGP considera o GP da Catalunha. Explicação: para as motos, o GP da Espanha é no autódromo de Jerez, em maio. Na prática, é claro, são duas provas realizadas na Espanha no mesmo ano.

7. NAS CURVAS

Na F1, a curva mais lenta é a 10, à esquerda a 74 km/h. A MotoGP marca 100 km/h no mesmo trecho. A mais rápida para carros é a curva 3, de raio bem longo, a 235 km/h; as motos a percorrem a 175 km/h. A curva de entrada da reta principal (15) é  a 212 km/h na F1. Na MotoGP esta curva é feita aos 165 km/h.

8. TEMPO RECORDE

Barcelona viu Aleix  Espargaró e sua Suzuki cravarem 1m40s546 e se sagrar dono da melhor volta da prova da MotoGP em 2015, com velocidade média de 169,2 km/h. Mas sua marca foi bem distante daquela obtida por Lewis Hamilton, de Mercedes, na prova da F1: 1m28s270, média de 189,8 km/h. O carro alemão cruzou a linha com mais de 12 segundos de vantagem sobre a moto japonesa

9. CORRIDA GOURMET

Juntas, as provas de MotoGP e Fórmula 1 representam 84% de toda a grana no caixa do circuito durante o ano. E quem assiste à corrida de F1 é bem mão-aberta: pelos cálculos da administração do autódromo, os gastos totais superam mil euros por cabeça. Já o pessoal que prefere ver de perto a MotoGP tem despesas menores: cerca de 516 euros por pessoa.

10. MELHORES

O melhor tempo obtido por Aleix Espargaró na MotoGP em 2015 não só foi suficiente para lhe dar a pole da prova como pulverizou o recorde que até então pertencia a Marc Márquez, 1m42s182, em 2014. Já na Fórmula 1,  desde 2008 ninguém consegue derrubar a marca registrada por Kimi Raikkonen, de Ferrari: 1m21s670

11. QUEM VAI?

O autódromo tem capacidade total para receber público de 104 mil pessoas, e a MotoGP conseguiu praticamente lotar a casa: assistiram à prova 97 mil fãs. Já a plateia da Fórmula 1 foi menor: 86.700 pessoas. A razão para a diferença é que Fernando Alonso, da McLaren, não teve um bom ano.