Por Cauê Lira (texto e fotos, com divulgação)

Um estudo divulgado pela Google estima que aproximadamente 90% dos smartphones ativos no Brasil possuem sistema Android. A Apple, não admitindo a derrota, reagiu e lançou a primeira versão alternativa do iPhone em 2013. À época o iPhone 5c – já descontinuado –  mirava os clientes que não tinham o poder aquisitivo necessário para ostentar a marca da maçã, e foi sucesso de vendas em países subdesenvolvidos.

No mesmo cenário, a Jaguar nunca foi páreo para Audi, BMW e Mercedes-Benz em vendas. Nem aqui, nem no resto do mundo. No entanto, os ingleses prepararam uma reação, e é este carro que chega ao Brasil neste mês. Eis o Jaguar XE, o modelo que tenta surrupiar aqueles que sempre desfilaram com as versões topo de linha de A4, Série 3 e Classe C. Um carro para quem gosta de dirigir. Normal. Afinal, conhecemos mais pilotos britânicos do que lordes.


jaguar xe

  • + Design, direção e personalidade

  • -  Espaço interno e motor

  • Menos por mais.

Se você compra carro por m², o Jaguar começa pecando: O XE mede 4,6 m, ante 4,8 m do Ford Fusion que é R$ 62 mil mais barato. Absurdo? Nem tanto. Mas quando você abrir o capô pode não achar isso certo: ele traz o mesmo motor 2.0 de 240 cv de potência e 34,7 mkgf de torque do Ford

A posição de dirigir, um pouco mais baixa e o acabamento interno estruturado em formato de arco em 180 graus dão a sensação de se estar em um cockpit. O espaço traseiro não é um latifúndio, mas uma pessoa de 1,80 m consegue se acomodar bem sem perder os pés. No porta-malas, o XE volta a ficar no retrovisor do Fusion. São 455 litros, ante 514 do americano. A versão testada inclui mais R$ 8 mil pelo teto-solar.

BUCKINGHAM

Seu câmbio automático é um ZF de oito velocidades, que se mostra muito bom para carros com torque elevado e muita potência, como o Jaguar F-Type R, por exemplo. Vai bem na cidade, mas dá sinais de falta de fôlego na hora de acelerar. Talvez uma transmissão mais elástica mostraria tudo o que este Jag tem para dar. Na cidade o funcionamento da transmissão é suave e combina com sua suspensão confortável até demais para o padrão alemão que estamos acostumados. Segundo a marca, o XE acelera de 0 a 100 km/h em 6,8 s. Não temos certeza de que ele fará esse tempo em nossos testes.  

Assim como o iPhone 5c, o XE empolga mais pelo logotipo que pelo conteúdo. A versão testada, Pure Tech, parte de R$ 177 mil (R$ 169.900 sem o teto-solar). A pergunta fica no ar: Como justificar o preço sendo que o Jaguar traz menos por mais? As vendas dirão.