Conheça o sedã do Hyundai HB20

Ele chega em março esbanjando ainda mais qualidades que o hatch

Por Gustavo Henrique Ruffo e Lucas Litvay / Projeções: João Kleber Amaral - publicado na edição nº 59 (nov/2012)

Falamos sobre o Hyundai HB20 há bastante tempo, desde bem antes de ele ser lançado. E a maior parte de nossas apostas se concretizou. Seja na aparência do carro ou no modo como ele seria recebido. Apostamos no sucesso e ele já apareceu: mais de 60 mil interessados preencheram o formulário no site HB20.com.br para adquirir o seu. Se todos fechassem o pedido, dificilmente receberiam seus carros este ano. Talvez só em meados do próximo. A oferta não atende a (alta) demanda.

Se o hatch se deu tão bem em tão pouco tempo, o mesmo deve se repetir com sua versão sedã, que começa a ser vendida logo após o lançamento no mês de março, por cerca de R$ 2 mil a mais que o hatch. Ou seja, a novidade partirá de R$ 33.995. Para matar sua ansiedade pela chegada do carro às lojas, faremos sua avant-première agora – e com exclusividade.

Completaço

Com motor 1.0 de até 80 cv e 10,2 mkgf, a versão Comfort, de entrada, trará ar-condicionado, direção hidráulica, dois air bags dianteiros, computador de bordo e Isofix nos bancos traseiros. Isso tudo por menos de R$ 34 mil. Completo? Bastante, mas ele pode ir além, já que a versão Comfort não traz travas ou vidros elétricos, alarme, desembaçador traseiro ou rodas de liga leve.

A opção Comfort Plus agrega vidros elétricos nas quatro portas, acabamento em tecido nas portas, desembaçador traseiro, chave-canivete, alarme, preparação para rádio e avisos de porta aberta e de chave na ignição. Virá por cerca de R$ 36 mil. Por fim, a versão 1.0 Comfort Style do sedã trará a mais rodas de liga leve, volante com comandos de rádio e regulável em altura e distância, retrovisores elétricos na cor do carro, faróis de neblina, ABS e CD Player. Por pouco menos de R$ 40 mil.

Quando partimos para o sedã com motor 1.6 de 128 cv e 16,5 mkgf de torque, mais adequado ao porte do carro, a versão Comfort custará R$ 38.995. E só traz a mais do que a versão 1.0 o ABS, de série em todos os modelos equipados com o motor maior, e os retrovisores e maçanetas  pintados na cor do carro, também de série. A Comfort Plus deve custar cerca de R$ 41 mil; a Comfort Style, R$ 45 mil na versão manual e R$ 48 mil na automática. A Premium, exclusiva do motor 1.6,  vem com máscaras prateadas nos faróis, em vez das negras, ionizador no ar-condicionado, rodas de liga leve de aro 15, sensores crepuscular e de estacionamento, revestimento de couro no volante e na manopla, encosto bipartido do banco traseiro e interior bicolor. Com câmbio manual, o sedã deve custar R$ 47 mil. Automático, seu preço pulará para R$ 50 mil. Trata-se da versão mais cara de toda a família HB20. E tão completa que, hoje, não há nada igual na concorrência.

A Hyundai não esconde que, nas clínicas que realizou para aprovar o desenho final do carro, utilizou o Fiat Siena e o Volkswagen Voyage para ouvir os clientes sobre erros e acertos. O três-volumes da Volks, como o Gol para o HB20, serviu de referência para o desenvolvimento do novo sedã. Era o adversário a ser batido, digamos assim. Segundo fontes, a capacidade do porta-malas do Hyundai será próxima de 500 litros. A do Voyage é de 480 litros.

Terremoto

“Ele é um mini-Elantra”, é a forma como uma fonte ligada à fábrica trata a novidade. A placa será posicionada na tampa do bagageiro e a coluna C terá um caimento suave. Com linhas muito parecidas com as do Elantra, um sedã que conquistou pelo estilo, mas desencantou por preço e equipamentos (tambores nas rodas traseiras, Hyundai?), o sedã do HB20 conservará os vincos interessantes do hatch e suas ousadias de estilo, como os faróis e lanternas que se estendem pelas laterais do carro. Ao contrário dos demais modelos da marca, importados (com exceção do Tucson), a família HB20 tem elementos mais quadrados, usados para dar aos carros da linha uma aparência de maior robustez e de dimensões maiores do que as que eles realmente ostentam. “Será um sedã com preço competitivo, mas com muito status”, diz um executivo da Hyundai envolvido no projeto.

Com estes conteúdos e credenciais, o volume de vendas estimado pela marca para o sedã pode ser considerado modesto: só 30% do que o hatch vai vender. Considerando que a fábrica de Piracicaba (SP) poderá entregar 200 mil unidades no ano que vem, 60 mil teriam porta-malas saliente. Assim como o hatch, o sedã do HB20 será vendido apenas em revendas que exibem no lado externo um portal azul com a inscrição HMB, de Hyundai Motor Brasil. Serão 200 até o final de 2013. “Não há nada mais moderno no segmento”, diz outra fonte da Hyundai, que vai além: “Se o hatch fez um vendaval no segmento, o sedã fará um terremoto. Pode apostar.” E quer saber? Será outra aposta certeira!

Compartilhe esse conteúdo



Comentários