Liberdade para ousar: Kia Koup x Hyundai Veloster

Nestes carros, a forma é mais importante que a função; veja o comparativo

 

por Choi Ju Sik


Há uma fase na vida em que nos vestimos como os nossos pais querem: camisa para dentro da calça, tênis branco, meia branca...Nada a fazer – eles mandam na gente. Com o tempo - e com a independência -, conseguimos ser como queremos, sem nos importarmos com a moda imposta, e sim com o estilo próprio. Kia e Hyundai chegaram a esta fase: seus carros já podem vestir ousadias, em que a forma predomina. Uma liberdade criativa que poucos alcançam. E que está chegando às passarelas brasileiras: apresentamos a primeira briga entre Kia Koup e Hyundai Veloster, dois top models esperados para o próximo mês.

O Kia Koup já desfila pelas ruas brasileiras desde o começo do ano, apenas na versão 2.0. Até o fim do ano - a Kia não informa quando - chega a versão 1.6, que terá a missão de enfrentar o Hyundai Veloster, que chega em outubro, também com motor 1.6, de igual para igual. Ambos serão cupês, esportivos, completos, charmosos e com preços ao redor dos R$ 70 mil. Lá fora, a disputa já começou – e é o que mostramos: fomos à Coreia do Sul importar a prévia do que vai acontecer dentro de mais algumas semanas no Brasil.

BRASÕES DE DESIGN
Podemos dizer que Koup e Veloster são ícones que representam o ápice estético de cada marca. O Kia capta a atenção por seu desenho sólido e definido de um cupê esportivo. O Hyundai provoca a mesma hipnose, principalmente por conta de sua criativa ideia das três portas assimétricas. É como aqueles trajes de desfiles do São Paulo Fashion Week que eu (e provavelmente você) tentamos entender – e não conseguimos.


O Veloster é um quase carro conceito, homologado para rodar nas ruas

Enquanto o Veloster passa essa imagem radical, o Koup traz desenho mais limpo. É um típico cupê de duas portas que combina muito bem com uma sexy cor vermelha – na essência,um blazer com bom corte. Os faróis (meio escondidos pelo capô) e a grade exibem design leve, mas consistente. Abaixo dela, a tomada de ar frontal reforça o caráter esportivo. A traseira traz desenho clássico. As rodas de 17 polegadas com pneus Hankook Solus 215/45 reforçam a imagem – o Veloster usa rodas de 18 polegadas com pneus 215/40, da mesma marca sul-coreana.

 
HORIZONTAL, VERTICAL

Dentro, há diferenças de identidade. O Hyundai é vertical e o Kia, horizontal (sim, sempre falamos isso nos comparativos entre as marcas). O painel do Veloster parece complicado em um primeiro olhar, com desenho parecido com o dos robôs do Transformers (vai saber se não há algum escondido por lá!), enquanto a alavanca de câmbio é impressionantemente simples. Você não vai reclamar de falta de espaço na parte inferior do console central e o volante com seu desenho simétrico casa bem com o resto do conjunto. É o cinto que combina bem com o sapato – ou, como queira, o sapato com a bolsa.


O Kia tem painel mais simples, com três instrumentos circulares. O restante é bem horizontal, com o painel de navegador ao centro do console. Abaixo dele, há um bom espaço para guardar bugigangas, além das entradas de iPod e USB, iguais às do Veloster. A alavanca do câmbio automático de seis velocidades não tem nada de complicado. Os dois porta-copos são parecidos com os do Veloster. Eles buscam ser diferentes, mas é moleza encontrar as similaridades típicas de marcas irmãs.

Não vamos afirmar que os bancos envolventes do Koup são luxuosos, mas não é nada mau se acomodar neles. Os do Veloster são parecidos, mas a espuma é mais densa. Se compararmos apenas o espaço traseiro, quase não há diferenças. Mas, na hora de entrar...

No Veloster, a porta traseira faz você esquecer que ele é cupê – desde que você se lembre de que lado ela fica (é na direita, é na direita!). No Koup, você tem de estar em forma para entrar no banco traseiro. É um esforço inconveniente, secomparado com o Veloster. Porém, lá atrás, você se sente mais confortável. No portamalas, o Hyundai adota uma abertura típica de hatch, com tampa grande que incorpora o vidro traseiro. A do Kia tem jeitão de sedã

 

O QUE INTERESSA
O Veloster usa o motor 1.6 GDI de 138 cv, com transmissão automática de seis marchas. A transmissão privilegia o consumo, mas não afeta o desempenho. Daí a explicação para a sua resposta de aceleração tão lenta. Nossa sugestão: faça as trocas no modo manual, mas se acostume com o protesto sonoro do motor 1.6 de injeção direta.


De traseira, o Veloster é mais ousado que o Kia Cerato Koup

O Koup que avaliamos traz o mesmo conjunto mecânico (motor e transmissão são iguais) – combinação ainda inédita no Brasil: por ora, o carro só é vendido na versão 2.0, de 156 cv. Mas apuramos que a Kia não vai deixar o Veloster reinar sozinho na passarela e está providenciando a importação da versão mais em conta.

A aceleração no Koup é mais ruidosa que no Veloster. Com o pé embaixo, o Kia entrega respostas lentas. É divertido de dirigir, mas o fato é que o 2.0 tem muito mais desempenho. Apesar disso, é estável e fi rme. A suspensão rígida permite condução mais ágil. Eles têm o mesmo motor, mas as sensações são diferentes. Em baixas velocidades, o Veloster se sai melhor, mas, no limite, o Koup dá as cartas. Isso se deve ao acerto de chassi do Kia, mais propenso à esportividade.

O Koup traz exatamente aquilo que você espera de um cupê. Incluindo o espaço traseiro

É difícil decidir entre o Veloster e o Koup. Eles têm seus desvios e seus méritos. Durante o teste, alguém nos disse que as garotas vão gostar mais do Veloster. Pode ser. Aporta traseira, por exemplo, evita uma série de complicações quando elas estão de saia. Hmmm. E o Koup? Ele tem todos os atributos de que um homem gosta. Desenho forte, desempenho decente e pegada de esportivo.

O Veloster é um carro experimental e, digamos, seu processo de desenvolvimento ainda está acontecendo. A Hyundai adicionou recentemente uma opção de transmissão de dupla embreagem e lançará a versão turbo para suprir a falta de desempenho. Mas é um carrão chamativo e ousado. Veloster e Koup representam a transição de personalidade, tanto da Kia como da Hyundai. Eu visto o que eu quiser, diriam ambas. E não dá para negar que elas estão na moda!

 

Compartilhe esse conteúdo



Comentários