Fogo contra fogo: Fiat Palio 1.0 Fire Evo x Fiat Palio 1.4 Fire Evo

O 1.4 cobra R$ 3,3 mil a mais por 17% de potência extra. Veja se compensa.

1

Por Gerson Campos / Fotos: Leo Sposito - Publicado na edição nº 48 (dez/2011)

Não vou mentir para você: quando me pediram para comparar o Palio 1.0 com o 1.4, já cheguei olhando meio desconfiado para o 1.4. Esse motor nunca me convenceu no Uno. Tudo bem que ele tem mais potência (88 cv contra 75 cv) e torque (9,9 mkgf x 12,5 mkgf), mas, no Uno, era mais ruidoso e áspero. Não convencia. Mas nada como um carro novo, um acerto novo e um dia de pista para que a gente deixe o preconceito de lado. No Palio, o 1.4 casou como uma luva. Mas o 1.0 também ficou muito bom. E agora?

TEST-DRIVE

Sim, fiquei confuso, mas não perdido. Tenho relatórios de teste, preços e mais de 200 quilômetros de impressões ao volante de cada um na cidade, na estrada e na pista, para chegar a uma conclusão sobre qual entrega mais pelo seu dinheiro.

FIAT PALIO 1.4

Desempenho

É mais caro, mas...

...o $ extra compensa

O Palio Attractive 1.0 custa R$ 30.990. O Attractive 1.4 sai por R$ 34.290. São R$ 3.300 de diferença por 17,3% de potência a mais, torque 26,3% superior, travas elétricas, vidros elétricos nas portas dianteiras, volante com regulagem de altura, chave canivete e outros badulaques. Só pela lista de equipamentos, o 1.4 quase justifica o preço. Mas, como nosso foco não é falar de equipamentos, vamos fazer o que nenhuma concessionária permite: andar com o carro (test-drive no quarteirão com o tanque na reserva não ajuda muito).

O Palio mais barato já começou confirmando o que você leu na C/D 47: para um 1.0, ele vai bem na cidade. Mas vale notar: o carro cedido era bem básico, sem ar-condicionado, air bag e abs, deixando o seu peso próximo aos 999 kg declarados da versão “pelada”.

Logo nas primeiras trocas de marcha, fica claro que a Fiat trabalhou em uma relação com as três primeiras bem curtas, o que ajuda o 1.0 em uma condução mais ágil, urbana. Mas, como diria o cara daquela banda de rock, “cada escolha é uma renúncia”. Se o 1.0 fica espertinho na cidade e anda quase tão bem quanto o 1.4 (este, um carrinho urbano na medida), toma uma paulada na pista e na estrada.

FIAT PALIO 1.0

Esperto para um 1.0

Podia beber menos

Na ponta do lápis...

No 0 a 100 km/h são 18,3 s contra 14,4 s. Grande parte da desvantagem acontece pelo fato de o Palio 1.0 precisar da quarta marcha para chegar a 100 km/h. Em terceira, ele corta a 97,2 km/h, o que já indica que você terá de pisar mais na embreagem por ter economizado aqueles R$ 3.300.

Na estrada, a relação curta ajuda o Palio 1.0 a manter 120 km/h com tranquilidade em trechos de reta e com subidas leves sem precisar recorrer a rotações muito altas (a essa velocidade, ele gira a 3.400 rpm; o 1.4 vai a 3.200 rpm). Só que se a subida for mais inclinada e você não vier embalado, dá-lhe quarta marcha, tarefa dispensável no 1.4. Estamos falando dos carros sem bagagem e sem o peso extra dos caronas – que fique claro.

2

ÓBVIO?

Passar de 120 km/h já começa a ser tarefa hercúlea para o Palio de entrada. Na reta de 1.800 m da pista de testes de Limeira, ele suou para chegar a 150 km/h no ponteiro. O 1.4 bateu 170 km/h. E este fôlego, que obviamente não está lá com qualquer tipo de pretensão esportiva, ajuda a ter uma viagem menos estressante e a aumentar a tranquilidade nas ultrapassagens. Claro: o 1.4 anda mais que o 1.0, mas é mais caro e gasta mais – é o que você deve estar dizendo nesta altura.

Você está quase certo: o 1.4 anda mais e é mais caro. Mas não gasta mais. Os dois modelos só não registraram números rigorosamente iguais por conta de uma vantagem de 0,1 km/l do Palio 1.0 no consumo urbano (8,6 km/l contra 8,5 km/l com etanol). Na estrada, os dois beberam a mesma coisa: 10,9 km/l.

A economia de um motor com capacidade cúbica 40% superior é explicada pela rotação inferior em que ele trabalha por conta da relação mais longa. Junte isso ao torque superior a um giro mais baixo e você terá mais uma boa explicação. Outra vantagem do Palio 1.4 é ser apenas 8 kg mais pesado que o 1.0.  

E, é bom lembrar, aquela aspereza do motor 1.4 encontrada no Uno desapareceu no Palio. É claro que o isolamento acústico maior ajuda, mas a Fiat conseguiu deixar o Evo mais suave.

E O VENCEDOR É...

Ao volante, as duas versões são parecidas. Por mais que tenham evoluído em relação ao Palio anterior, suspensão e direção não abandonaram a filosofia de privilegiar o conforto e não a esportividade. Em comparação ao Gol, o oposto do Palio em comportamento, a carroceria ainda inclina mais em curvas, acelerações e frenagens. O lado bom é que agora a maciez não compromete a dinâmica, como acontecia antes. O carro está sempre na mão. E aí surge outra vantagem do 1.4: com rodas (opcionais) maiores, pneus mais largos e de perfil mais baixo, ele oscila menos em mudanças de faixa bruscas e em curvas no limite.

Não há muito o que discutir com os números e as impressões. O Palio 1.0 é bem acertado e esperto na cidade, mas os R$ 3.300 cobrados a mais pelo 1.4 compensam o investimento com mais equipamentos, desempenho sensivelmente superior e o mesmo consumo. Se o orçamento estiver apertado, dilua no financiamento e parta para um carro mais bem resolvido. Você não se arrependerá.

Clique na tabela para ampliar

Compartilhe esse conteúdo



Comentários