fechar X

Por Michael Lowes // Fotos: Divulgação e Autocar

A primeira coisa que vem à mente depois de acelerar o novo Volkswagen Polo (ainda camuflado) pelas estradas é a certeza de que se o seu nome fosse Golf pouca gente notaria. O novo compacto promete um porte físico, respeitando certa distância para o irmão maior, tecnologia de ponta, especialmente quanto à conectividade, e alguns equipamentos de categorias superiores. Mas antes de saber do recheio, vamos conhecer a nova estrutura que dá ao Polo os parâmetros de qualidade que serão exigidos para os carros da categoria, inclusive no Brasil, onde também será produzido vendido a partir de agosto.

A plataforma MQB-A0 será a estrutura principal de todos os futuros compactos da VW a partir do fim desta década. Apesar de equipar carros menores e mais baratos, ela mantém muito dos parâmetros de rigidez estrutural e torcional e leveza aplicados na plataforma MQB que é usada nos VW Golf e Passat e em boa parte dos Audi médios e médio-grandes. Podemos dizer até que essa nova estrutura compacta nada mais é que uma plataforma MQB encurtada.

Volkswagen PoloA Volkswagen tentou esconder, mas alguns dias após nossa avaliação a revista inglesa Autocar divulgou flagras do novo Polo praticamente sem camuflagem

3 ADULTOS

O novo Polo concentra requintes de qualidade de engenharia em uma embalagem 8,1 cm mais comprida (4,05 m), 6,9 cm mais larga (1,75 m) e com entre-eixos 1,8 cm maior (2,56 m) que a do antecessor europeu. Esses acréscimos são imediatamente percebidos quando você assume o volante. A largura extra faz com que você se sinta em um carro mais caro, e quem viaja atrás também percebe isso. Agora é possível levar três adultos no assento traseiro sem que eles precisem fundir seus corpos. A VW também arquitetou um porta-malas grande para a categoria. Com 350 litros ele tem o maior espaço para a bagagem entre todos os hatches que não são considerados médios.

Vale a pena mencionar a boa posição de dirigir e a ergonomia bem pensada para o motorista. De novo ele se parece com o Golf. O modelo avaliado também traz um acabamento emborrachado sobre todo o painel e traços bem polidos das peças plásticas aparentes, como as saídas de ar condicionado. Sobre o painel figura o monitor da central multimídia, com 8” e tela extremamente sensível ao toque, ele dá o tempero tecnológico que os VW compactos pouco se preocupavam em ter. Outra novidade é que a tela fica em uma posição sensivelmente virada para o motorista. Nela você consegue espelhar o seu celular pelo CarPlay e pelo AndroidAuto. 

Guiando você se depara com mais argumentos que elevam o patamar do Polo em sua categoria. Ele será o primeiro compacto a contar com sistemas de condução autônoma. Neste primeiro momento de automação, o carro vai livrar você da fadiga em engarrafamentos com um assistente de velocidade de cruzeiro a baixas velocidades nas versões com câmbio automático. O carro conta ainda com um alerta para mudança de faixa que automaticamente retorna o carro à direção certa, sistema de reconhecimento de fadiga e alerta para pedestres com frenagem de emergência adaptativa. Na escala de segurança, nenhum compacto supera esse nível, contudo, ainda não se sabe se estes sistemas estarão disponíveis no Brasil.

Volkswagen Polo

NA ESTRADA

Com o carro em pistas sinuosas, é fácil perceber que o motor 1.0 TSI de 115 cv é mais do que suficiente para o Polo, ainda mais acompanhado do câmbio DSG de 7 marchas. No Brasil ele deve receber o motor 1.0 TSI do Golf, com 125 cv, e do Up, com 105 cv, em duas versões (na Europa também será vendido com o 1.0 aspirado do Up, que por aqui rende 82 cv, mas não temos a informação de que esta configuração estará disponível para o Brasil) e ser o primeiro carro 1.0 TSI da VW a contar com essa transmissão.

O que mais impressionou na primeira avaliação do carro é a correção com que ele se comporta em situações extremas. A rolagem da carroceria é na medida certa e ele avisa o que pode acontecer caso você continue acelerando demais. Não há sustos. O conjunto de suspensão, com McPherson na dianteira e eixo de torção na traseira, recebeu amortecedores mais evoluídos do que nas gerações anteriores. Hoje o carro europeu chegou num ponto de break-even entre conforto e rigidez raro de encontrar nesta categoria. Isso também se dá porque o novo Polo é 50 kg mais leve que o antecessor e o peso está melhor distribuído nos pontos de apoio.

É evidente que ele não será um carro que você vai considerar barato aqui no Brasil. O preço deve partir da casa de R$ 57 mil e ir até próximo dos R$ 75 mil nas versões mais bem equipadas. O Polo vem para o jogo para brigar, entre outros, com Honda Fit como o único carro capaz de suprir suas necessidades de espaço, praticidade e conforto. E fará isso com tecnologia à frente do que qualquer concorrente pode atingir até pelo menos o ano de 2020.

Volkswagen Polo

Leia também
Comente!*