Chevrolet Spin

por Carlos Guimarães / Fotos: Mario Villaescusa - publicado na edição nº 55 (jul/2012)

Chegou a vez das minivans “dois em um” – modelos erguidos na mesma base, com a mesma aparência e que podem acolher cinco ou sete passageiros. A Chevrolet Spin é a mais nova representante desta safra e vem se juntar à Nissan Livina e à JAC J6. No começo de 2013 chega a Renault Logdy (antecipada na C/D 40 e avaliada na C/D 54). Parece ser a tendência para os países emergentes. Criada e desenvolvida no Brasil, pela equipe da General Motors em São Caetano do Sul, a Spin estreia no País, mas já tem destino selado: será fabricada na Indonésia, África do Sul e em outros países em ascensão. Spin vem do inglês e significa “girar” – mas a marca afirma que optou pelo nome por ser genérico, para ser entendido em qualquer parte do planeta. Como é e como anda a novidade? É o que você verá a seguir.

Feita sobre a mesma arquitetura global do sedã Cobalt, a Spin substituirá de um só golpe as minivans Zafira (lançada em 2000) e Meriva (projeto brasileiro apresentado em 2003), mesma estratégia adotada pela GM com o Sonic, que entrou no lugar do Corsa e do Astra. Ela chega em cinco versões, sempre com o novo motor 1.8 Econo.Flex, a preços que variam de R$ 45 mil a R$ 55 mil. A opção mais em conta, a LT manual, vem com ar-condicionado, direção hidráulica, ABS, dois air bags, travas e vidros elétricos. Testamos a mais cara, a LTZ de sete lugares com câmbio automático sequencial de seis marchas, o mesmo GF6 da dupla Cruze/Sonic.

Chevrolet Spin

Tridimensional

Veja o perfil da Spin. É uma minivan com compartimento do motor destacado, um dois volumes, no jargão da indústria, e não um monovolume, como a maioria das minivans. Apesar de carregar o mesmo código genético do Cobalt, a Spin vem com uma série de detalhes estéticos próprios. Começa com os faróis, arredondados, que combinam com a enorme grade dianteira bipartida, marca da Chevrolet em seus mais recentes modelos.

Para quebrar a simplicidade das linhas, a equipe de Carlos Barba, chefe do departamento de estilo da GM, esculpiu a lateral e a tampa traseira para formar jogos de luz e sombras. Também incluiu um defletor de ar sobre a tampa traseira e desenhou um par de lanternas com aspecto tridimensional. O resultado, de modo geral, agrada.

Chevrolet Spin

Se estivesse de olhos fechados, eu não teria como saber se estava abrindo as portas da Spin ou do Cobalt. O quadro de instrumentos também é comum aos dois modelos. Na minivan,  o “ponto H” (posição vertical relativa do quadril) é 60 mm mais alto do que no sedã e isso obrigou a GM a ajustar a altura do painel. No espaço extra, foram criados alguns novos porta-objetos e, para reforçar a sensação de altura, foram usados dois tons de cinza separando as duas metades.

Chevrolet Spin

Saudade do flex7

O nível de acabamento é apenas honesto e deixa claro que este é um carro para países emergentes. É o mesmo padrão encontrado no Cobalt. Mas é na hora de usar algumas das 23 configurações possíveis dos bancos que você vai ficar com saudade da Zafira. No lugar do engenhoso, prático e mais caro sistema Flex7 (aquele que faz aparecer ou sumir os bancos, encaixados facilmente no assoalho),  a GM adotou algo mais simples. E incômodo.

CHEVROLET SPIN

Motor silencioso e liso, câmbio automático, custo-benefício

É preciso ter músculo, e paciência, para configurar os bancos

Uma minivan genérica para substituir as minivans convencionais

A fileira do meio é bipartida em 1/3 e 2/3 e a terceira, inteiriça. Com um sistema de alavancas e linguetas, os bancos podem ser dobrados por inteiro para serem presos por uma tira elástica, igual às usadas para amarrar bagagem nas motocicletas, enganchada no encosto de cabeça do banco à frente. Para entrar ou sair da terceira fileira é preciso dobrar a segunda. O conjunto de assentos é pesado e, dobrado, ele se torna uma barreira a ser superada com técnicas de contorcionismo.

Em contrapartida, na versão de cinco lugares, os bancos rebatidos abrem um salão de festa de 952 litros no porta-malas e, na posição normal, 710 litros, pois quase toda a área foi reservada para a terceira fileira. Na versão para sete lugares, a capacidade é de 162 litros ou 553 litros com a terceira fileira rebatida.

Chevrolet Spin

Heavy x erudita

A Spin marca a estreia do motor 1.8 Econo.Flex, que seria derivado do 1.4 usado em Meriva, Corsa e Prisma, segundo a GM. Comparado ao antigo 1.8 FlexPower, é como sair de um show de heavy metal e entrar em uma sala de concerto: o novo motor é suave em qualquer rotação, silencioso e não vibra. A marca diz que ele seria mais econômico.

Tem modestos 108 cv com etanol e razoáveis 17,1 mkgf de torque, 90% dele disponível entre 2.500 rpm e 4.700 rpm. Não espere, portanto, um desempenho fora do comum: o carro, avaliado em pista fechada e somente com o motorista, mostra fôlego apenas mediano.

A 120 km/h, o motor gira silenciosamente a 3.200 rpm, mérito do câmbio de seis marchas com relações bem escalonadas e com passagens suaves. A caixa recebe uma embreagem interna que evita os trancos e a demora nas trocas de marcha. As mudanças  sequenciais são feitas por um pequeno botão um bocado discreto na alavanca, mesmo recurso presente no Captiva – um estímulo a menos para uma condução mais animada e alguns centavos de dólar de economia para a fábrica.

A suspensão absorve bem as irregularidades do piso e mantém conforto interno.  Nas curvas, apesar do centro de gravidade mais alto e da inclinação natural da carroceria, a minivan se mostrou bastante equilibrada, com boa estabilidade, mesmo perto do limite de aderência.

Chevrolet Spin

Boas vibrações

A Spin estreia o novo motor 1.8 Econo.Flex, criado e desenvolvido no Brasil, para substituir o antigo, e áspero, 1.8 FlexPower. Sem grandes recursos tecnológicos, é suave. E vai equipar parte da linha GM. Uma boa notícia para quem não suportava mais a aspereza do motor 1.8 da GM. O vibrante FlexPower foi substituído pelo 1.8 Econo.Flex, feito no Brasil e que também estará no Cobalt automático a partir de agosto. O bloco seria derivado do 1.4 Econo.Flex e teve a cilindrada aumentada não apenas com o uso do virabrequim do antigo 1.8 FlexPower (sim, exatamente o mesmo, sem nenhuma mudança, inclusive de contrapesos), mas também com o alargamento do diâmetro dos cilindros (exatamente o mesmo do 1.8 antigo). Isso foi possível porque o bloco de ferro é mais resistente que o de alumínio e não teve a rigidez da sua estrutura comprometida, mesmo com paredes mais finas.

Ainda na comparação com o antigo 1.8 de 8V da GM, o novo tem acelerador eletrônico drive by wire (o FlexPower era por cabos),coletor de escapamento de aço inoxidável e o de admissão de plástico, que favorece a entrada do fluxo da mistura ar/combustível dentro da câmara de combustão. Além disso, vem com comando de válvulas roletado, para reduzir atrito e ganhar eficiência. O resultado é um motor suave e silencioso. Quanto ao consumo, em nossa média ele fez 9,6 km/l na estrada e 6,4 km/l na cidade, abastecido com etanol. Segundo o diretor de engenharia de produtos da GM Powertrain, Paulo Riedel, a melhoria foi obtida com uma melhor distribuição da mistura por meio da caixa de ressonância do corpo de injeção, adotada pela primeira vez no Cobalt 1.4.

Chevrolet Spin
Clique na imagem para ampliar