fechar X

 

Por Jason H. Harper // Fotos: Andrew Trahan

Um dia perfeito com o Corvette. Começou com uma noção e logo se tornou uma missão. O novo Grand Sport 2017 é a mais recente interpretação do Corvette, e um deles está sendo enviado de Detroit para Nova York, onde iremos testá-lo. Assim se forma a ideia. Uma curtição do nascer ao por do sol no auge do verão naquele que potencialmente é o maior esportivo americano moderno. Uma chance de ter um dia perfeito ao volante.

Enquanto o Corvette Grand Sport amarelo com câmbio manual de sete marchas e o pacote Z07 está sendo carregado em um caminhão, nosso planejamento é iniciado. O solstício de verão acontecerá em uns poucos dias, então será possível passar 14 horas ao volante sem sequer avistar um farol aceso. Minha pista local no Monticello Motor Club (MMC) está me esperando com o Grand Sport logo pela manhã. Eles me prometeram deixar dar quantas voltas eu quisesse no circuito de 5,8 km. Dali eu seguiria para o Oeste, em direção ao rio Delaware, na divisa da Pensilvânia, e depois partiria para as montanhas Pocono e para uma série de estradinhas quase secretas – que só os Viciados em Carro conhecem – ideais para o Corvette.

Eu seria limitado apenas pela borracha macia e lisa dos pneus Michelin Pilot Sport Cup 2 e minha própria força moral ao volante.

Chevrolet Corvette Grand Sport

Planejar a perfeição é pura insensatez. Estava chovendo copiosamente quando acordei; o trânsito na Ponte George Washington estava congestionado e eu não ousaria acompanhar o fluxo a 100 km/h na Palisades Parkway, uma via de 80 km/h famosa por seus radares móveis. Se você fosse policial, que carro abordaria: um Corolla prata ou um Corvette amarelo brilhante?

Depois temos a questão do Grand Sport em si. Minha expectativa é alta, já que o Grand Sport nasceu de dois carros que conhecemos e adoramos, o C7 Stingray e o Z06. Mas ele pode acabar se revelando menos que a soma de suas partes. Ou, sendo pessimista, ele pode ser o pior tipo de carro feito com peças de prateleira, sem o mesmo ânimo de seus pais ou personalidade própria. O carro é basicamente um Z06 com motor do Stingray. Ou, falando de forma mais cínica, um Stingray com peças do Z06.

O Grand Sport certamente parece com o Z06, com sua traseira mais larga e vários respiros. As faixas opcionais e os frisos nos para-lamas são uma referência aos Corvette Grand Sport de corrida de 1963 e aos Corvette de mesmo nome da quarta geração. Os elementos-chave do carro estão na parte de baixo dele. O acerto da suspensão reproduz o do Z06, mas o Grand Sport tem suas próprias molas, barras estabilizadoras, ajuste do Magnetic Ride e programação do diferencial eletrônico. O V8 6.2 LT1 é o mesmo motor aspirado do modelo básico, com 466 cv e 64,2 mkgf. Basicamente o GS é projetado para ser mais agressivo que o Stingray, porém mais comportado que o Z06.

"O arrefecimeneto é tão avançado quanto o do Z06, o que é fenomenal para um carro de aspiração natural", diz Alex MacDonald, o engenheiro chefe de desenvolvimento. "Os sistemas de arrefecimento e os freios do GS podem suportar uso severo em pistas. Garanto que seu tempo de volta não será limitado pelo equipamento."

Chevrolet Corvette Grand Sport

O chefe do Corvette, Tadge Juechter, que está na GM desde 1977 e trabalha com os Corvette desde a quinta geração, diz que espera que o Grand Sport se torne um modelo de grande volume de vendas. "A carroceria, os freios e os pneus foram originalmente projetados para o Z06, mas eles funcionam impressionantemente bem neste carro." Ele ri quando perguntamos se os engenheiros levaram mais de um final de semana para fazer este carro. "Ainda que tudo pareça plug-and-play você não pode simplesmente instalar as peças do Z06 e dizer que está pronto. É preciso fazer todo o acerto da suspensão. O controle do chassi é próprio do carro e a distribuição de peso é diferente, com menos de 50% na dianteira. Você pode usar um monte de componentes incríveis, mas a menos que eles estejam bem integrados a experiência de condução não será igualmente incrível. Nós acreditamos nisso."

Nos EUA, o Grand Sport parte de US$ 66.445 na versão cupê e US$ 70.445 na versão conversível, US$ 5.000 a mais que o Stingray Z51. Ele também será oferecido com o pacote Z07, um opcional de US$ 7.995 que inclui os pneus Cup 2 e os freios de carbono cerâmica. O pacote aerodinâmico Stage 2 está incluído, embora o Stage 3 com o aerofólio traseiro mais elevado não seja uma opção. Segundo Juechter, isso frearia o Grand Sport com sua potência inferior.

"Não estamos segurando a agressividade do carro. Ele está muito perto do ZR1 da geração passada", diz Juechter. A Chevrolet diz que o tempo de volta do Grand Sport no circuito de Milford Road em Detroit é menos de um segundo mais lento que o do ZR1, e que em um circuito o Grand Sport pode chegar a 1,20 g de aceleração lateral com o pacote Z07. Conseguimos 1,18 g em um skidpad de 90 metros.

Chevrolet Corvette Grand Sport

O GRAND SPORT PARECE... BEM, FAMILIAR

O cockpit, com seu câmbio manual de curso curto, só se importa com o motorista e o V8 barítono soa ainda melhor sem o compressor. Cheguei em Monticello com os para-lamas cheios de lama, mas a chuva parou. Apesar dos pneus Cup2, o Corvette é calmo nas curvas molhadas. O MMC é privado e impecável, e o circuito inclui uma reta de 1.200 metros, um belo carrossel em subida e várias curvas negativas capazes de levar um chassi menos competente à calamidade. Enquanto o asfalto seca mudo o GS do modo sport para o modo track, e depois passo pelos submodos: seco, molhado, sport 1, sport 2 e race. O sistema estreou no Stingray e é um exemplo da engenharia refinada do C7. Ele entrega exatamente o que você pede, com mais guinada e menos interferências em cada degrau das escadas. Mesmo assim a interface é dolorosa: gire o controle para pista, depois clique duas vezes o botão, depois gire pelos sub-menus. Juechter me disse que eles dificultaram o acesso de propósito para que os novatos não ficassem tentados a abusar do carro.

Pilotei o C6 ZR1 e o atual Z06 no MMC, e eles foram bem adequados às retas rápidas e às curvas equilibradas. Mas a tendência de entrar forte demais nas curvas não é muito ideal nos setores mais travados. O bico do ZR1 escapou em uma curva negativa à direita e eu quase tive um mau momento.

Chevrolet Corvette Grand SportReta de 1.200m e curvas negativas que podem arruinar qualquer chassi: em resumo, a pista de Monticello é perfeita

FÁCIL DEMAIS

Há muita borracha sob o Grand Sport, e sua estabilidade traseira permite facilmente chegar aos 240 km/h na reta antes de alicatar os discos de carbono-cerâmica. A traseira balança muito levemente nessa situação. A reta longa é seguida por uma subida curta e íngreme, e uma das curvas mais lentas da pista, que fala direto à habilidade do Grand Sport. Há um vai-e-vem rápido no topo da subida, as zebras são altas e fazem o chassi tremer, e a transição exige reações rápidas seguidas de um contra-esterço lento e controlado enquanto você acelera na saída. É uma dobra muito rápida feita sob medida para um Miata, mas que abala fortemente os carros mais pesados. O Corvette vai da brutalidade do Mr. T para a leveza de Fred Astaire com uma facilidade estranha e quase irritante. Saí da curva com uma velocidade mais alta que a de qualquer outro carro que já pilotei no MMC. Posso sentir os segundos sendo derrubados a cada volta. Continuo forçando, mas o Grand Sport parece simplesmente pedir mais. Isso é louco vindo de um carro de US$ 75.000. Será que ele não é fácil demais?

Sim e não. É fácil ser rápido, mas não de forma passiva como em um Nissan GT-R. Isto não é um videogame. O GS é acessível do jeito certo, é como ouvir a Sinfônica de Boston tocar a Quinta Sinfonia de Beethoven ao vivo. A música é familiar e você já espera grandeza daqueles violinos, mas é surpreendente ouvir a evolução do concerto.

Da mesma forma é a experiência de acelerar na pista no Corvette Grand Sport. É o auge: os componentes da prateleira estão trabalhando perfeitamente juntos O Corvette moderno representa as várias gerações de engenharia da General Motors. A maravilha que é aquele V8 small-block, claro, mas também as pequenas inovações como os amortecedores magnetorreológicos e o head-up display. Todos aqueles engenheiros trabalhando tantos anos, acordando no meio da noite com ideias precisas.

Chevrolet Corvette Grand Sport

Esqueça os terríveis bancos com pouco apoio e os vãos entre os paineis de fibra de vidro da carroceria. O que resta hoje é um carro que abandonou seus erros e manteve os acertos. Você pode acelerar em Monticello, reduzir marchas perfeitamente enquanto o chassi e os pneus permitem que você carregue a máxima velocidade, e o head-up display exibe a informação que você precisa para fazer a troca na rotação exata. O Grand Sport tem a sincronização de rotações do Stingray e o pacote aerodinâmico Stage 2 do Z06. Você pode se concentrar apenas em duas coisas: no carro e em onde você quer colocá-lo.

Voltei para os pits depois de uma volta de arrefecimento. Um clube de Ferrari da região havia acabado de chegar, a maioria com modelos California e FF. Os membros estão seguindo o Grand Sport com os olhos. Desligo o motor e eles começam a fazer drifts em direção ao Vette, como se empurrados pela maré. Eles circulam, chegam mais perto, eu puxo conversa.

"O carro ronca incrível na reta", diz um. Outro enfia a cabeça no cockpit e eu o convido para uma volta de carona. "Isso acompanha minha California?", ele pergunta. Eu só olhei para ele. "E custa metade do preço, também", ele murmura. Menos. Eu diria um terço do preço. Então ele me olha espantado. Desculpe, cara.

O QUE VOCÊ REALMENTE PRECISA

Eu poderia fazer mais voltas. Poderia ficar a vida inteira ali. Mas um dia perfeito de pilotagem não pode ter uma nota só. Além disso, as estradas abertas – ou melhor dizendo, as estradas sinuosas – dos EUA são os lugares onde o Grand Sport passará sua vida. Será o orgulho de milhares de pessoas que irão economizar mais e mais até comprá-lo.

A eles eu digo: você certamente não precisa do pacote Z07. Os pneus Michelin Pilot Super Spot vão durar muito mais que os Sport Cup2 opcionais, e o 1,05 g de aceleração lateral ainda vai mudar seu mundo. E se você estiver andando rápido o bastante para sentir a aerodinâmica em uma curva, você também estará rápido o bastante para ir para a cadeia. A alegria do Grand Sport está em sua suspensão e em seu motor. Quatrocentos e sessenta e seis cavalos são mais do que você irá usar regularmente, e você poderá chegar aos 160 km/h em terceira marcha.

Chevrolet Corvette Grand Sport

Sei disso porque saí de casa às 6 da manhã e às 3 da tarde ainda não tinha saído do carro. Parecia que somente agora eu estava chegando à melhor parte – passando por uma série de meus grandes sucessos. Todas as estradas que me deixam contente, em uma única sequência, uma depois da outra. Claro, tive que encher o tanque duas vezes e almoçei dois sanduíches de sorvete em um posto. São estradas sinuosas que sobem e descem pelas montanhas e fazem o Corvette parecer uma escuna no tempestuoso Atlântico. E também um milagroso asfalto construído nas encostas sobre o rio Delaware. E ainda uma subida de montanha particular que um amigo chama de "Estrada da Aceleração Lateral". Desliguei o controle de tração com um único toque do meu inidicador e afoguei os pneus traseiros com fumaça enquanto o diferencial se bloqueava e eu fazia uma derrapagem perfeita.

ADORAÇÃO AO ACERTO

O equilíbrio... a proporção do chassi em relação à potência. São elementos que fazem você voltar sempre. Somente um desinformado diria que o GS não tem potência suficiente. E os freios do Z06 permitem confiança extrema nas estradas do mundo real, como quando um esquilo disparou de um galho pela frente do carro quando eu contornava uma curva.

É minha última estrada "Greatest Hits", logo antes do anoitecer. Um trecho de 22 km de asfalto dobrado e de elevações alternadas entre mim e o lugar onde finalmente descansarei nesta noite. Fabulosamente desprovido de circuitos. Uma névoa flutua logo acima do asfalto, com tons dourados pelo sol caindo. Mantenho o carro em terceira marcha, ativo o modo Sport com o V8 girando alto e feliz. Minha preocupação sobre um Corvette sem personalidade se foi. O Grand Sport é familiar, mas também revelador, considerando a vida e a paixão dos profissionais que adoram o acerto do carro como nós.

Tabela

Leia também
Comente!*