Cães e carros

Por Jonh Pearley Huffman // Fotos: Divulgação

Alabama, o Husky deste autor, pula dentro de uma caçamba antes mesmo da tampa traseira ser aberta. Um Labrador de outra pessoa da Redação dança como se suas patas estivessem em uma frigideira e começa a correr em círculos quando ouve a palavra “carro”. Parece que apenas os cachorros conseguem amar os automóveis tanto como os humanos. Há um pouco de ciência por trás disso, por isso chamamos especialistas para tentar especular sobre o tema.

Os cachorros experimentam o mundo muito mais pelo faro do que pela visão. Enquanto o nariz humano conta com 5 milhões de receptores olfativos, o dos cães ultrapassa os 300 milhões.  Não admira o amor deles por colocar o focinho para fora da janela e ir de encontro ao vento. “Eu não tenho certeza se eles ficam chapados”, diz Dra. Melissa Bain, professora veterinária da Universidade da Califórnia, especialista em estudos do comportamento e bem-estar animal. “A questão é que eles recebem muita informação olfativa em alta velocidade.”

Dr. Brian Hare, professor associado de antropologia evolucionária da Universidade de Duke e fundador do Centro de Cognição Canina de Duke, diz que a abundância de vento pode gerar uma espécie de sobrecarga sensorial. “É o equivalente a assistir a um filme sensacional ou ler a nova edição da Car and Driver”, diz ele (após certa pressão). “É muita informação captada por eles, o suficiente para um ‘uau’. Uma explicação para isso seria que é uma sensação simplesmente muito boa.”

CADÊ A BOLA?

A brisa é apenas parte da experiência. “Os lobos costumam variar constantemente seu ambiente, tanto por necessidade quanto pelo fato deles apreciarem explorar novos lugares. E não seria muito inteligente se eles não curtissem fazer algo necessário para sua sobrevivência.” Hare diz ser possível os cachorros compreenderem que o carro vai para algum lugar, “um novo lugar para explorar onde, talvez, deva ter outros cachorros”. Para ele, a maioria dos cães entende que está indo passear e associa o carro com algo bom que está por vir. “Eles devem pensar: ‘Quando eu entro nesse treco, coisas boas acontecem’”.

Cachorros e carros

Mas é claro que nem todos eles são iguais. O nosso cachorro iria falar: “Sim, claro doutor, mas o que aconteceu com as minhas bolas?” Grande parte deles, segundo o doutor, são animais sociáveis, e a domesticação acelerou este processo. “Se você der a chance dos cachorros escolherem entre ficar com uma pessoa ou com outro cão, eles preferirão o humano. Eles são os mamíferos mais bem sucedidos do planeta, logo atrás de nós”, ele completa. “O vínculo de confiança tem sido um enorme benefício para os ‘lobos domésticos’ que vivem conosco. Os cães desenvolveram sua inteligência para aproveitar as ferramentas humanas.”

Este desejo por estar junto de nós faz com que eles sejam ótimos companheiros de estrada. “Por isso, é provável que eles não gostem muito dos carros autônomos”, diz Hare. Ou seja, os cães amam carros porque nos amam. E não há como quantificar os gostos.

INTELIGÊNCIA ANIMAL

Nem todos os cachorros gostam de andar em carros, e a professora da Universidade da Califórnia, Dra. Bain, aconselha não forçar os passeios com eles. Para as viagens longas, ela sugere um remédio para enjoo, embora eles possam ficar um pouco sedados.

Assim como seres humanos, os cães ficam mais protegidos presos ao cinto de segurança. Se seu companheiro gosta de ficar com o focinho para fora da janela, a doutora recomenda ativar o bloqueio de operação do vidro para evitar que eles pisem nos comandos. Finalmente, algumas coisas podem atingir os olhos deles, por isso ela aconselha o uso de óculos caninos.