Chevrolet Prisma x Hyundai HB20S

Por Gustavo Henrique Ruffo / Fotos: Leo Sposito - Publicado na edição nº 64 (abr/2013)

O Bolsa Família, já chamado de Bolsa Escola,se vangloria de ter acabado com a pobreza extrema no Brasil. Os novos sedãs compactos 1.0 brasileiros invocam o mesmo. Chega de miséria de acessórios! Basta de plataformas e desenhos antiquados! Um dos representantes da nova safra emergente é o recém-chegado Hyundai HB20S, versão sedã do HB20; o outro é o novo Chevrolet Prisma, agora derivado do Onix. Como os partidos políticos, cada um deles quer cantar de galo, dizendo que fez mais pelo povo. Mas contra fatos não há argumentos: vamos revelar para você qual destes sedãs é o verdadeiro pai dos pobres.

Chevrolet Prisma
Prisma x HB20S

Mal chegou e o Chevrolet Prisma encarou seus maiores concorrentes com motores acima dos 1.0. Ganhou de Volkswagen Voyage, Toyota Etios Sedan e Fiat Grand Siena. Veio com moral para enfrentar o sedã que, mesmo antes do lançamento, era tido como forte candidato – o HB20S. Mas, na configuração 1.0, o Prisma acabou como o salário da maior parte dos brasileiros: foi diminuindo, diminuindo...

Ao contrário do antigo Prisma, montado sobre plataforma ultrapassada e interior despojado, o novo vem recheado e se apoia na mesma base moderna do Sonic. Mas, mesmo assim, não foi páreo para o HB20S.

Prisma x HB20S

Nas nuvens

Ainda que tenham sido renovados, os motores SPE/4, 1.0 e 1.4, têm origem nos da Família 1, de 1993. São vendidos como os de maior potência da categoria – e é verdade: o 1.0 rende 80 cv com etanol, mas a potência só chega a 6.400 rpm, a 100 rpm da faixa de corte. Para extrair o máximo do quatro cilindros, portanto, é preciso levá-lo ao limite das rotações. A consequência é um funcionamento áspero.

chevrolet prisma 1.0

Não dá para reclamar do recheio

O motor precisa de mais caloria

Tem tudo para melhorar de vida

Por dentro, o Prisma mostra que o orçamento é curto – e os assentos dos bancos dianteiros também são, sonegando apoio para as coxas. Como a inflação, até bem recentemente, a posição de dirigir é alta, mesmo com o banco regulado na posição mais baixa. É o efeito Fiat de levar o motorista às nuvens. Encontrar a boa posição ao volante leva tempo e, quando se encontra, notam-se falhas de ergonomia: as alças de apoio das portas estão em posição baixa e, nas portas traseiras, as manivelas dos vidros (acionamento elétrico nesta versão, só nas janelas dianteiras) estão em posição igualmente baixa, entre o assento do banco traseiro e o painel das portas.

Prisma x HB20S

Seu destaque é a central multimídia, que pode incorporar, como acessório vendido nas concessionárias da marca, a câmera de ré. O Prisma é o único sedã compacto com o recurso – o eficiente sistema MyLink é um opcional de R$ 1.300.

Andando, o carro agrada. A suspensão equilibra o sedã entre curvas negativas e buracos imprevistos em retas longas. Ela é parceira do motorista, mas os pneus, nem tanto: mais estreitos que os da versão 1.4, gritam em curvas feito feirantes. Quanto ao motor, não dá para dizer que ele não cumpre com seus compromissos: é relativamente econômico e, quando exigido, paga o que deve ao acelerador. Com 500 litros, o porta-malas servirá bem às famílias da emergente classe média. Sim, o Prisma é uma excelente escolha. Mas...

Hyundai HB20S
Prisma x HB20S

... o Chevrolet encontrou um rival mais forte. Quando falávamos da versão sedã do HB20, antes de ele ser lançado, nos referíamos a um mini-Elantra não só por conta das linhas, mas pela expectativa criada sobre ele. O carro chegou e confirmou nossa tese sobre o desenho. Isso tem um preço e é acima do razoável. Como no Elantra.

A versão mais simples, a Comfort Plus, custa R$ 38.995. A marca abriu mão da versão Comfort, que, no hatch, vem com ar, direção e air bags, mas sem travas ou vidros elétricos, numa economia difícil de entender. O problema é que o sedã custa R$ 3.005 a mais do que o HB20 equivalente, o Comfort Plus com áudio, vendido a R$ 35.990. É um valor muito mais alto que o dos concorrentes.

Prisma x HB20S

Questão industrial

O Prisma é R$ 2.400 mais caro do que o Onix (R$ 34.990, contra R$ 32.590). O Volkswagen Voyage, R$ 1.710 mais caro que o Gol equivalente (R$ 31.100, contra R$ 29.390). A explicação é industrial: com fila de mais de 90 dias por um HB20, o HB20S tem de ter demanda menor, sob pena de deixar muita gente impaciente – e desistir da marca. Para jogar água fria no entusiasmo do cliente, nada funciona melhor do que uma etiqueta com preço alto.

hyundai hb20s 1.0

Mais recheado que banquete de mulheres ricas

Seu preço é um pepino. Ou um abacaxi

Abacaxi combina com banquete

Mas a estratégia não deve dar certo, para azar (ou sorte) da Hyundai. Primeiro, porque oferecer o carro em versões é uma grande sacada: evita que você perca dinheiro na revenda, pagando por opcionais que não vão ajudar a incrementar o valor de tabela. Segundo, porque a versão básica do sedã já vem muito completa.

Tudo isso seria de menos se o HB20S não se destacasse em estilo. E ele faz isso, ainda que tenha partido para um desenho mais careta do que o do hatch, especialmente em relação à traseira. A grande mancada dos coreanos foi não ter instalado maçaneta de abertura na tampa do porta-malas – só é possível abrir pela alavanca no assoalho ou manualmente, pela chave. O cartucho que comporta a chave não prevê comando de abertura remota, como no Prisma. O compartimento pode levar até 450 litros.

Prisma x HB20S

Ronco

Raimundos - Cesta Básica

A cesta do povo

Não é o álbum dos Raimundos. A cesta associada a este comparativo é a do governo, que teve impostos cortados e é formada por carnes, arroz, feijão, ovo, leite, café, açúcar, farinhas, pão, óleo, manteiga, frutas, legumes e produtos de higiene. A cesta que montamos para a produção das fotos foi doada para Eike Batista, que despencou no ranking da Forbes.

Dentro do HB20S (e, por extensão, do Prisma), não há surpresa. Se você já entrou em um HB20, sabe como ele é. O painel, com dois mostradores analógicos, em relógios separados, dá ar esportivo ao carro, algo que o Chevrolet, com seu painel de moto (só o conta-giros é analógico: todo o resto, inclusive velocímetro, é digital), fica devendo. Comparando os dois, o do GM tem aspecto mais simples.

A construção do Hyundai é bem cuidada, mas o volante tinha algumas rebarbas. O banco do motorista, com assento mais longo, apoia bem as pernas e tem posição de dirigir mais baixa, que combina legal com o som do 1.0 Kappa de três cilindros.

Moderno, feito todo de alumínio, o motorzinho ronca como gente grande. Se tivesse sido preparado com os itens de uma cesta básica, resultaria em uma refeição simples, quase trivial, mas saborosa. O Kappa cresce de rotação sem esforço. Gira gostoso e com gosto, mostrando mais força em baixas rotações que o SPE/4 do Prisma. A faixa de torque máximo chega mais cedo. E o valor que ele entrega é maior.

Prisma x HB20S

Vibrante

Ligue o motor e dê a partida. O três-cilindros vibra, mas você só vai notar isso em saídas fortes, quase cantando os pneus. Apesar do motor pequeno, o sedã pesa apenas 1.014 kg e ganha velocidade rapidamente. Nas curvas, esperávamos por um comportamento parecido com o do 1.6, um bocado anestesiado. Nada feito. O Hyundai ainda está longe da solidez alemã, mas é mais firme e comunicativo que seu irmão mais forte. Pode parecer atrevimento, mas o HB20S 1.0 é, em muitos aspectos, melhor do que o 1.6. Pelo menos para quem gosta de dirigir.

Entre forte em uma curva qualquer e você não vai ouvir os feirantes de borracha berrando no coreano. Os pneus não cantam, apesar de serem mais estreitos que os do Prisma. A carroceria também se mantém firme, sem rolagens ou inclinações exageradas. O câmbio é preciso, mas em alguns momentos a embreagem mostrou certa hesitação – e trepidação irritante.

Nos bancos de trás, a boa distância até o teto oferece mais conforto a passageiros altos do que no GM. Vale lembrar que, dos dois sedãs, o Prisma é o que tem o maior entre-eixos (2 cm a mais de vantagem), mas não aproveita a vantagem a seu favor. É o Hyundai que posa de pai de família ajuizado, que sabe esticar o dinheiro e juntar para comprar um carrinho maior no futuro. Esse cara você vai ver de HB20S por aí. Se ele tiver paciência de ficar na fila para receber o benefício.

Prisma x HB20S
Clique na imagem para ampliar