Cor do carro

Foto: Divulgação

Se você cansou da cor de seu automóvel e está disposto a mudar, não basta ir a uma oficina, escolher a tinta e encomendar a nova pintura. Existe um caminho burocrático pela frente junto ao Detran, que envolve uma série de papelada. Afinal, será preciso alterar também o documento do carro.

MAIS DE 50%

O Código de Trânsito Brasileiro considera que o carro ganha nova cor quando a pintura atingir uma área superior a 50% à carroceria. 

DOCUMENTAÇÃO

Antes de mais nada, providencie o original e uma cópia dos seguintes documentos: RG, CPF, certificado de registro do veículo (CRV), comprovante de residência de no máximo três meses e certificado de registro e licenciamento do carro.

VÁ AO DETRAN

Depois de separar a papelada, vá ao posto do Detran onde o automóvel está licenciado com o objetivo de informar a alteração. Lá, será preciso preencher um formulário de autorização prévia para modificar a característica do carro. Mas fique esperto: se houver dívidas em aberto, como multas de trânsito, o Detran poderá recusar a alteração da cor até você quitar as pendências.

AGUARDE A BUROCRACIA

Feito isso, aguarde o ok do Detran, mas tenha paciência, porque o órgão não é exatamente um exemplo de agilidade.

NA OFICINA

Uma vez dado o sinal verde, escolha a oficina que fará a pintura. Leve a autorização do Detran e não se esqueça de pedir a nota fiscal dos serviços executados.

DE NOVO NO DETRAN

Você terá de ir mais uma vez ao Detran, a fim de preencher o certificado de registro do veículo, que formaliza a troca de cor. A taxa para a alteração na "identidade" do carro é de aproximadamente R$ 180.

SEM AVISAR, A MULTA É GRAVE

Mudar a cor do automóvel sem o procedimento legal no Detran é multa grave (R$ 195,23 e perda de cinco pontos na CNH). Além disso, o documento do carro é apreendido até que a situação seja regularizada.