Editora Escala
Car and Driver Brasil
Home Assine Anuncie Fale Conosco
BUSCA: OK
NEWSLETTER:

Edição atual
Edições anteriores
 
Testes
Impressões
Segredo
E mais
0 a 100
Mercado
 
Expediente
Assine
Anuncie
Fale Conosco
Adicione aos Favoritos

Cadastre-se e receba as
últimas novidades da
revista Car And Driver no seu e-mail!



 


Impressões

Corvette Stingray x Jaguar E-type
Uma briga de encher os olhos
Arnaldo Keller Fotos Paulo Keller

O interior do Corvette é mais espartano

Um Corvette Stingray e um Jaguar E-type à minha espera. A pista de Interlagos, deserta, também me aguarda. Um sol forte começa a aquecer o frescor matinal: está tudo calmo, silencioso, tranquilo.

Mas, em breve, este será o cenário da reedição de uma batalha que começou nos anos 1960 e se estendeu pela década. Daqui a pouco, haverá um duelo dos bons entre um esportivo britânico, o Jaguar E-Type, e outro americano, o Corvette Stingray. O E-type branco, frio e racional, chega primeiro e espera pelo rival.

O Corvette vermelho surge brilhante e fogoso, roncando grosso, borbulhando de saúde e pedindo espaço. Vendo os dois carros estacionados lado a lado, não há como não imaginar Muhammad Ali e Joe Frazier, dois grandes pesos-pesados voltando às suas melhores fases e subindo novamente ao ringue - na arena em que eu teria a honra de ser o juiz.

1963 O STINGRAY POVOOU A IMAGINAÇÃO DE UMA GERAÇÃO INTEIRA

Rivais desde o nascimento

Quando surgiu no Salão de Genebra de 1961, o E-type já chegou arrasando. Era lindo, veloz, rápido de curva e de freada e muito mais barato do que os Mercedes 300 SL Roadster e Ferrari 250 GT Spyder V12, os únicos com beleza e desempenho semelhantes.

O Jaguar simplesmente custava menos da metade destes e oferecia praticamente o mesmo. Com essas qualidades, imediatamente começou a ser mandado para os Estados Unidos, onde ele veio tomar justamente o mercado do Corvette, a fatia do esportivo de alto desempenho a um custo relativamente baixo.

E o Vette de então estava defasado. Apesar de ter um ótimo motor V8, seus chassi e suspensões eram grosseiros, o que o limitava a ser bom de arrancada. E só.

As bandeiras estão em vários lugares, incluindo a tampa do tanque

A GM, incomodada, tratou de voltar a fazer o que havia feito na década anterior, quando projetou o primeiro Corvette: pegou um E-type e desmontou o carro até o último parafuso para copiar o que achava de bom.

Ela havia feito isso com o XK 120 para projetar o primeiro Vette. E agora repetia a estratégia para criar o Stingray. São rivais, portanto, desde a concepção.

PÁGINAS :: 1 | 2 | 3 | 4 | Próxima >>

Edição 45
 

 
 

  ContentStuff - Sistema de Gerenciamento de Conteúdo - CMS