-->

Jaguar F-Type R AWD: sentidos aguçados

Visão, audição, tato, paladar e olfato não passam impunes ao F-Type R com tração integral

Por Raphael Panaro // Fotos: Divulgação

O corpo humano é dotado de cinco sentidos que lhe possibilitam interagir com o mundo exterior. Por meio de determinados órgãos do corpo humano, as sensações são enviadas ao cérebro utilizando uma rede de neurônios. E essas capacidades se exacerbam com o Jaguar F-Type R AWD. Ele exercita sua visão, incita sua audição, ativa seu tato, estimula seu olfato e desperta seu paladar. O resultado é uma experiência de sensações elevadas ao extremo.

VISÃO

Não dá para fugir de quão belo é o cupê britânico. Frente longa, traseira curta, faróis e lanternas elegantes, caimento do teto... O modelo é um colírio para os olhos. Arrisco a dizer que o F-Type é um dos carros mais bonitos à venda no Brasil... e no mundo! Nunca dirigi um automóvel que chamasse tanta atenção quanto o cupê. Ele foi alvo de inúmeras fotos e comentários durante os mais de 1.000 quilômetros que percorri. Chegou a tal ponto de eu não poder estacionar em um local porque o bólido “iria chamar muita atenção”. Quem quiser comprar um F-Type, gastarexatos R$ 752.684 e não ser alvo de olhares cobiçosos é melhor nem sair de casa.

O design esguio é obra de Ian Callum, diretor de design da marca. Callum liderou o projeto de retomada da Jaguar na criação de um inédito carro após a fabricante ser adquirida pela indiana Tata Motors junto a Ford, em 2008 – que também teve a Land Rover na negociação. Com a injeção de milhões de rúpias indianas, o designer escocês tinha a missão de criar um esportivo de dois lugares. Em 2010, o conceito C-X16 antecipava as modernas linhas do F-Type. Três anos depois surge a versão final em forma de conversível: o F-Type Convertible. Mais tarde viria a versão fechada. Callum criou um sucessor espiritual do lendário E-Type e, de quebra, deu a indústria automotiva mundial mais um ícone.


TATO

Depois de contemplar o desenho do F-Type é hora de tocá-lo. E a experiência começa pela maçaneta. Ela é mascarada na carroceria. Com a chave presencial no bolso, basta apenas pressionar um pequeno botão no lado esquerdo da peça e uma parte pula para fora. Daí basta apenas puxar e abrir a porta. Uma vez dentro, toque as superfícies e sinta os materiais de alta qualidade do acabamento. O interior negro pode ainda ganhar cores vivas, como vermelho, e ainda trazer detalhes em fibra de carbono. Para isso, basta se desprender de mais alguns milhares de reais.

AUDIÇÃO

Tire a cera do ouvido e esqueça o sistema multimídia como você se esquece de passar fio dental todos os dias. Nem o som da grife Meridian com 380W de potência e 10 alto-falantes vão fazer tanto barulho quanto a sinfonia do V8. Estique a marcha até uns 3 mil giros, solte o acelerador e seu ouvido irá se inebriar com os pipocos que estouram das quatro saídas de escapamento. Quer mais? Aperte o botão no console e surround é ligado: o escape com válvulas ativas aumenta consideravelmente o volume do vê-oito. Entre em um túnel, abra os vidros e deixe a orquestra dos oito canecos ecoarem. Se delicie com o zunido do compressor mecânico a cada pressão mais forte no pedal da direita.

OLFATO

O nariz humano possui a capacidade de captar os odores do meio externo. Estes cheiros são enviados ao cérebro que efetua a interpretação. O cheiro da borracha, da embreagem e dos freios é uma percepção que você está no caminho certo. O habitáculo também exala o requinte da realeza automotiva.


SEXTO SENTIDO

Quando veio ao Brasil, o F-Type despejava a pujança dos 550 cv nas rodas traseiras. Um convite a diversão, mas também a fazer uma asneira ao volante. Tanto que a marca agora só vende o F-Type R (motor V8) com tração integral. E se você pensa que o prazer de dirigir ficou em segundo plano, você está completamente enganado. Com o AWD, sistema de vetorização de torque, diferencial traseiro de bloqueio variável eletronicamente, chassi inteiro de alumínio e os controles de estabilidade e tração, o Coupé ataca curvas de forma excepcional e a direção é mais precisa que GPS militar. O esportivo gruda no chão e seu limite parece sempre estar longe. O Jag está a 4,1 segundos de sair da imobilidade aos 100 km/h. O velocímetro vai a 340 km/h. A máxima, no entanto, fica limitada a 300 km/h.

A suspensão dianteira tem molas e buchas 10% mais rígidas e a carga dos amortecedores foi revista para se adequar ao sistema All Wheel Drive. O F-Type R é um carro extremamente duro para o dia a dia.  Se você passar em cima de um fio de cabelo, os pneus Pirelli PZero 255/35 na frente e 295/30 atrás, vão acusar e você vai sentir na direção. Tenha sempre um Dorflex na mão. Lombadas, buracos e valetas podem moer seu corpo.

PALADAR

Faltou o paladar, né? É que o F-Type te deixa com gostinho de quero mais...


Compartilhe esse conteúdo



Comentários