Avaliação: Discovery Sport TD4

Versão diesel lapida o SUV da Land Rover. Em silêncio

Fotos: Divulgação | Texto: João Anacleto

O mercado de SUVs é o eldorado que toda marca quer atingir. Sim, todas. No segmento Premium, leia-se os modelos acima de R$ 150 mil, a dominação dos SUVs é ainda mais clara e a briga mais selvagem. E esse consumidor exigente simplesmente adora o Land Rover Discovery Sport.

O modelo de entrada da marca figura em terceiro lugar de vendas entre os concorrentes premium, com 1.005 unidades comercializadas entre janeiro e abril (Audi Q3 é o primeiro e Mercedes-Benz GLA o segundo), mas está no topo do pódio quando você enxerga que ele não é um SUV compacto, como os concorrentes. Com 4,59 m de comprimento e espaço para sete ocupantes, ele também se destaca por oferecer motor diesel no portfólio. E não é mais qualquer diesel.

INGENIUM

Land Rover Discovery Sport

O 2.2 Duratorq turbodiesel emprestado da Ford, que o acompanhava desde o lançamento e era o causador das mais pesadas críticas quanto ao consumo e ao ruído,  foi substituído pelo 2.0 Ingenium, que faz parte de uma avançada concepção de motores, privilegando a eficiência energética e dinâmica, com baixo nível de ruído e mais durabilidade. Feito em bloco de alumínio de alta rigidez, com injeção direta, turbina de geometria variável e dupla refrigeração do sistema, ele representa um salto evolutivo em um veículo que tinha no motor um dos seus únicos pecados.

O novo 2.0 produz 180 cv a 4.000 rpm, contra 190 cv a 3.500 rpm do antecessor, no entanto, gera 43,8 mkgf contra 43 mkgf, e entrega essa porção extra 500 rpm antes, a 1.500 rpm. Mais forte em baixa, menos estrangulado em alta e bem silencioso. Na prática é isso o que a mudança quer dizer.

Essas sensações, tanto em percurso rodoviário quanto urbano lapidam uma atmosfera premium que já nasceu com ele, mais ainda tinha lapsos rebeldes na educação. Outra mudança substancial fica por conta da aspereza, ruído e trepidação na comparação entre os motores. Enquanto o Ford passava avisando que era um motor diesel que estava ali, você só sente um leve tremor no Land Rover Discovery Sport quando está parado. E ela se manifesta apenas nos pedais. Antes você pode sentir isso também no volante.

A versão HSE avaliada, com sete lugares, sai por R$ 270.496 (a SE custa R$ 240.596 e a HSE Luxury é vendida por R$ 301.696) tem boa parte dos predicados que você espera de um veículos premium, ede um Land Rover. Vem equipada com bancos de couro com ajustes elétricos, descansa-braço nos assentos traseiros, teto panorâmico fixo, retrovisores elétricos com rebatimento, sistema de entretenimento InTouch Pro Control com GPS integrado e sistema de áudio Meridian com 10 alto falantes e subwoofer.

As rodas de 19” também são de série, assim como o Terrain Response, o sistema de tração 4x4 que adapta o SUV para ter segurança de rodagem nas mais variadas condições de solo, desde o asfalto molhado até lama e neve. Um pacote que de tão bem pensado faz dele o Land Rover mais vendido do Brasil.

Land Rover Discovery Sport

Compartilhe esse conteúdo



Comentários