Aceleramos o surpreendente e novo XC60

SUV da Volvo chega para abalar o seu segmento. E isso parece fácil

Fotos: Divulgação | Texto: Henrique Neves

“Amigos (ou inimigos, se preferirem) cheguei”. Sabe aquela Volvo tímida, que não gostava de chamar a atenção e era conhecida só pela segurança dos carros que saiam de Gotemburgo? Esqueça.

E o XC60 é o espelho disso. O SUV, que em oito anos chegou a mais de um milhão de consumidores, se torna a pedra fundamental do plano de transformação da marca, iniciado em 2015. Por aqui ele também é a menina dos olhos dos suecos. No mesmo período foram 18 mil unidades vendidas no Brasil.

Com o lançamento mundial do novo XC60 a marca sueca confirma que esta em outro estágio de sua história. E sem passagem de volta. O responsável por essa guinada tem nome e sobre nome: Thomas Ingenlath. O vice-presidente de design é o arquiteto deste movimento da Volvo, agora ícone da deslumbrante estética escandinava. Uma mudança tão radical que fica difícil lembrar que a marca já teve uns caixotes com rodas.

 A revolução de Ingenlath começou primeiro com o XC90 e depois S90, carros com desenho singular e interior espaçoso e luxuoso, onde mais pareciam ter saído de uma revista de decoração. O SUV vem com essa nova linguagem de design da Volvo, que incorpora os faróis de LEDs no formato de martelo de Thor, para-choques suavemente ondulados e luzes traseiras futuristas.

Como os novos veículos da série 90 (XC, S e V), o XC60 é construído sobre a plataforma modular SPA, que além de ser utilizada por diversos modelos, ainda trabalha com a premissa de um melhor aproveitamento interno.

Volvo XC60

FILHOTE DE BENTLEY

Tal como acontece com o XC90, é o interior que apaga qualquer dúvida sobre as intenções de luxo da marca. A união perfeita entre bom gosto, utilização de materiais nobres e tecnologia dá a sensação que se está em um filhote de Bentley. O que provavelmente não é coincidência, já que o designer de interiores do XC60 é Robin Page o homem que criou os inconfundíveis interiores da marca britânica.

O painel de instrumentos é uma  escultura marcante que pega emprestado a maioria das qualidades tecnológicas do XC90, incluindo a tela central que administra o sistema de entretenimento chamado na Volvo de Sensus, que por sinal é muito intuitiva. O ar condicionado é de quatro zonas e o sistema de som é Bowers & Wilkins. A Volvo não deve nada em design e luxo a um SUV alemão. Qualquer um.

 Contudo, ao rodar com o carro a historia é outra. Até porque o XC60 não se destina a perseguir os alemães com o DNA mais esportivo. Seu foco está em outros lugares. Outros lugares, que incluem a segurança, obviamente. A Volvo continua a ser uma empresa dedicada a nos salvar de nós mesmos, de modo que quase todos os sistemas de segurança ativa que existem no mercado estão no veículo. Isso inclui o City Safety, que examina a estrada à procura de qualquer coisa que se mova como pedestres, de ciclistas e vendedores de bananas até animais, e ajuda o motorista a tomar uma decisão com informações que vão desde um alarme até frear o veiculo.

Andamos pouco mais de 300 quilômetros nas ruas e estradas de Barcelona, na Espanha, com versões a gasolina e a diesel. Uma versão híbrida de 413cv também estará disponível na Europa ainda esse ano, e não deve vir para o Brasil.

Volvo XC60

MORDIDO

Com uma carroceira mais leve do que a do XC90, e com o potente motor T6 de 320 cv, o XC60 se mostrou um carro ágil nos centro urbanos e confortável e silencioso e, claro, seguro em uma estrada. Isso é fruto do escalonamento cirúrgico da transmissão automática de oito marchas e da tração integral. A bordo, o motorista pode escolher diferentes modos de condução: Eco, Confort, Dynamic, Off-Road e Individual (customizando sua própria configuração). Senti falta apenas das borboletas para a troca de marchas no volante, não precisa ser esportivo para tê-las.

Para o Brasil virá a versão com o novo motor T5 Drive-E, de 2 litros, quatro cilindros em linha, com turbocompressor e injeção direta de gasolina que produz 254 cv de potência máxima e 35,7 mkgf de torque entre 1.500 e 4.800 rpm. Segundo fontes da marca sueca a versão diesel chegará apenas no ano que vem. Serão três versões de acabamento e os preços já foram definidos: a Momentum por R$ 235.950,00, a Inscription custará 256.950 e a R-Design não sai por menos de R$ 266.950,00. Segundo Leandro Teixeira, diretor de marketing da Volvo,  60% de todas as vendas da marca no Brasil é de XC60. A perda da liderança neste mercado para o Land Rover Discovery Sport em 2016 parece ter deixado o Volvo um tanto mordida. “Temos certeza que com esse novo modelo vamos voltar à liderança de mercado. Nossa expectativa é que 50% dos compradores virão de outras marcas concorrentes”, diz Teixeira.

A mensagem é clara: A Volvo sabe que hoje tem um grande produto nas mãos e quer fincar os pés no mercado de luxo mais fundo do que sempre fez. Resumindo, o XC60 é um carro na mão sem ser esportivo e é luxuoso sem obscenidades. Tem tecnologia de ponta sem confundir a cabeça dos seus donos, e quer o mercado dos alemães (Audi Q5, o BMW X3, o Mercedes-Benz GLC e Porsche Macan) sem parecer com nenhum deles. A missão nunca pareceu tão fácil. 

Volvo XC60

Compartilhe esse conteúdo



Comentários