-->

Aceleramos o reestilizado C4 Picasso

Quando dirigir é apenas um detalhe

Fotos: Divulgação | Texto: Raphael Panaro

Olhe. Olhe de novo. Notou alguma diferença no reestilizado Citroën C4 Picasso? Você tem de ser Viciado em Carro para perceber que a grade dianteira agora envolve as luzes diurnas, que o desenho do para-choque dianteiro muda e que os faróis de neblina tem contornos cromados. Na traseira, as laternas ganham efeito 3D e os chevrons (logotipo da marca francesa) tem nova cor preto brilhante e borda cromada. De perfil, o desenho Mamba das rodas de 17” com cinco raios e diamantadas é a novidade.

Outra transformação você vai sentir no bolso. Anteriormente, o monovolume partia de R$ 110.900 na versão de entrada Seduction. Na linha 2018, o valor passa para R$ 121.400. Andamos na configuração Intensive, de R$ 132 mil – custava R$ 117.900 e a conta pode crescer com a cor azul Lazuli (R$ 1.540) do carro das fotos e com os pacotes Confort (R$ 16 mil) ou Luxe (R$ 26.100).

C4 Picasso

Os opcionais adicionam desde teto panorâmico, passando pelos faróis autodirecionais de xenon, revestimento dos bancos, câmera 360º e sistema de estacionamento semi-autônomo. Resumo da ópera: o C4 Picasso pode chegar perto dos R$ 160 mil.

De resto, o carro continua sendo aquela espaçonave familiar. Construído sobre plataforma EMP2, o modelo perdeu 4 cm no comprimento em relação ao antecessor de arquitetura PF2, mas ganhou 5,7 cm na distância entre-eixos. E, o mais impressionante, perdeu 140 kg de peso! Juntamente com os bancos traseiros individuais, o aumento na dimensão resulta em maior espaço traseiro e agrada os cinco ocupantes que viajam ali.  O assento do meio ainda traz vão livre para as pernas devido à ausência do túnel central alto. Para tornar o percurso ainda mais cômodo, existem aquelas mesinhas do tipo avião, vidros escurecidos e cortinas que evitam a entrada de luz solar.

C4 Picasso

C4 Picasso

MASSAGEM, VENTILAÇÃO...

Indo para os bancos dianteiros o primeiro item que chama atenção é o cluster digital com tela de 12”. A posição é centralizada e checar as informações essenciais, como o velocímetro, é preciso, que seja por um instante, desviar o olhar do trajeto. Você pode escolher exibir o mapa 3D de navegação ou de auxílio à direção - e até incluir uma foto pessoal como fundo de tela.

Logo abaixo está a central multimídia. Com 7”, ela comanda as funções de climatização (ar-condicionado duas zonas), GPS, som e telefone. Tudo de forma bem simples e intuitiva. A tela sensível ao toque também responde rápido aos comandos de aumentar/reduzir o volume ou trocar a estação do rádio. O sistema ainda tem calculadora, agenda e informações gerais sobre o uso do veículo. O C4 Picasso traz mais itens tecnológicos: alerta de ponto cego, botão de partida, chave presencial e compatibilidade com Apple Car Play Android Auto e Mirror Link. Motorista e passageiro podem ficar relaxados com a função massagem e ventilação. O carona ainda desfruta de maior conforto com o apoia perna escamoteável, dobrável e elétrico (item do pacote opcional Luxe).

O C4 Picasso atrai quem vai dentro. Mas e quem dirige? Aí a história é diferente. A começar pela posição de condução. Mesmo no ajuste mais baixo ainda me sinto um juiz de tênis. Ao menos estou praticamente em um sofá e não naquela cadeira desconfortável. Hora de sair e cadê a alavanca do câmbio? Ela está bem à minha frente. Puxo ela para baixo e encaixo na posição D. Quem empurra o o C4 Picasso é o sabido 1.6 THP. São 165 cv e 24,5 mkgf: números suficientes para um carro que só vai subir rampa de shopping e carregar crianças e bagagens (são 537 l de porta-malas). A suspensão é firme, mas não incômoda. Ela impede que a carroceria aderne demais, mas dá confiança que você pode ir mais além. O C4 Picasso oferece mais diversão a quem vai de passageiro do que propriamente comandante da espaçonave

C4 Picasso