Hyundai Ioniq: não tão rápido, mas eficiente

Hyundai Ioniq: O rival sul-coreano do Prius no Brasil?

Fotos: Divulgação | Texto: Luca Tundisi

Ele foi mostrado no último Salão do Automóvel de São Paulo, ano passado, mas a Hyundai desconversou sobre a possibilidade de trazer o modelo ao Brasil. Agora, a conversa é direta: há, sim, chance de o Ioniq ser importado. E o que reforça a possibilidade é o fato de a marca ter levado um grupo de jornalistas brasileiros à Coreia do Sul para apresentar sua tecnologia e promover uma avaliação do Ioniq em Seul. Depois de rodar alguns quilômetros com o rival do Toyota Prius e do Nissan Leaf, ficamos convencidos de que seria boa ideia ter este carro por aqui.

ELÉTRICO, HÍBRIDO, COMBUSTÃO
Lançado no ano passado, o Ioniq é produzido em três configurações de motor: híbrido, híbrido plug-in (em que as baterias são recarregadas na tomada) e elétrico puro. Para a avaliação, a única versão disponível era a elétrica, caracterizada pela ausência das tomadas de ar dianteiras (a grade é fechada por cobertura plástica que contrasta com a cor da carroceria).

O que chama atenção é o espaço interno. E o que surpreende no Ioniq Eletric é o acabamento esmerado. Um dos detalhes mais interessantes é a costura dos bancos de couro macio em linha cor de cobre, como se fossem fios condutores de eletricidade. A arquitetura interna segue o padrão característico dos carros da marca e isso significa que não encontramos dificuldade em manejar os principais comandos. Nem em acionar a transmissão pelas teclas no console, sistema parecido com o dos Fiat automatizados (os Ioniq híbridos são equipados com câmbio automático de dupla embreagem, solução inédita para este tipo de carro).

O conjunto de baterias instalado sob o banco traseiro gera o equivalente a 120 cv de potência e é responsável por boa parte dos 1.420 kg de peso do carro. A autonomia é de 280 km, ainda baixa para os padrões atuais de elétricos. Para abrir espaço para as baterias, a suspensão multibraços presente nas versões híbridas deu lugar a eixo de torção. Mas isso não interferiu no conforto interno – pelo menos não nas bem pavimentadas ruas da capital sul-coreana.

Há três modos de condução e no mais radical deles, o Sport, a aceleração 0 a 100 km/h é feita em 9,9 s, segundo o fabricante. Obviamente que o propósito do Ioniq Eletric não é o de ser rápido, mas efi ciente. Para isso, no entanto, a autonomia deve ser ampliada. De resto, nos pareceu uma bela alternativa para a Hyundai no Brasil.

PREÇO: US$ 30.335 (equivalente na Coreia do Sul)
MOTOR: Dianteiro, elétrico
POTÊNCIA: 120 cv a 5.750 rpm
TORQUE: 30 mkgf 4.000 rpm
TRANSMISSÃO: Automática,1 marcha
SUSPENSÃO (D/T): McPherson / eixo de torção
FREIOS (D/T): Discos ventilados/Discos sólidosr
RODAS E PNEUS (D/T): 205/55 R16
DIMENSÕES: 4,47 m (comprimento) / 2,70 m (entreeixos) / 1,45 m (altura) / 1,82 m (largura)
PESO: 1.420 kg
PORTA-MALAS: 350 litros
AUTONOMIA: 280 km

Compartilhe esse conteúdo



Comentários